Pesquisa personalizada

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

É justo, é cristão examinar José Smith e questionar o mormonismo?



Tive de responder a esta pergunta e orar a esse respeito antes de escrever este livro. Segundo a luz que Deus me deu por Sua Palavra, creio que o que se segue foi o que Ele me mostrou.
Outra reação dos que questionam nossa autoridade de testemunhar podia ser: "Não julgueis para que não sejais julgados" (Mateus 7:1). Segundo Mateus 7:5, este versículo é dirigido aos hipócritas. Por outro lado, João 7:24 diz aos crentes que "Não julgueis segundo a aparência, e, sim, pela reta justiça"; não segundo a aparência, mas segundo a Palavra de Deus.
É trágico que hoje em dia alguns de nós, os crentes, temos, em nome do amor, retido a verdade aos que estão no erro, por não querermos ofendê-los ou por não amá-los o suficiente. Lembre-se de que o amor verdadeiro previne.
É verdade que não devemos dar importância demasiada `as coisas mínimas. Pode ser desnecessário dizer ao próximo que ele possui mau hálito ou que uma telha de sua casa está solta. Entretanto, se ele estiver dormindo e a casa pegar fogo, é crime não acordá-lo. Desculpa alguma e nenhuma declaração vazia de amor jamais satisfarão `a Deus em tais casos.
A autoridade da defesa
Como é que tudo isto se relaciona com a pergunta: É justo, é cristão examinar José Smith e questionar o mormonismo?" É justo porque José Smith atacou todos os cristãos e suas igrejas primeiro. José Smith declarou em seu livro "inspirado" Pérola de Grande Valor, que todas as outras igrejas estavam erradas, que todos os credos eram uma abominação e que todos os mestres eram corruptos.
De um só golpe José Smith condena todas as igrejas, todas as crenças e todos os cristãos. Claramente diz que não havia um só cristão verdadeiro na face da terra ao tempo em que recebeu sua primeira visão, e que não tinha havido por centenas de anos.
Alguns líderes mórmons têm-nos desafiado a examinar O Livro de Mórmon, que, naturalmente, deve incluir seu autor e seus seguidores. Orson Pratt, apóstolo mórmon, disse:
"Este livro deve ser verdadeiro ou falso... Se for falso, é uma das imposições mais espertas, malignas, audazes e profundas, feitas ao mundo com o propósito de enganar e arruinar milhões que a receberão sinceramente como a Palavra de Deus, e pensarão estar seguramente edificados sobre a rocha da verdade até que, com suas famílias, sejam lançados no desespero total. A natureza de mensagem de O Livro de Mórmon é tal que, se verdadeira, ninguém poderá rejeitá-la e ainda salvar-se; se falsa, ninguém poderá recebê-la e salvar-se. Portanto, cada alma no mundo tem interesse igual tanto na determinação de sua verdade como de sua falsidade... Se, depois de um exame minucioso descobrir que é uma imposição, deve ele ser exposto ao mundo como tal; as provas e argumentos pelos quais a falsidade foi detectada devem ser, clara e logicamente afirmados para que os que foram enganados, embora de boa mente, percebam a natureza do engano e sejam restaurados, e que os que continuam a publicar a ilusão sejam expostos e silenciados...mediante provas aduzidas das Escrituras e da razão."[1]
Concordamos plenamente! É cristão examinar José Smith e questionar o mormonismo, porque se nos mandou fazê-lo, tanto para nosso próprio bem como para o bem de todos os mórmons.
Examinar José Smith é cristão e racional pois diz ele ser profeta de Deus e diz-nos a Bíblia "pelos frutos os conhecereis." O Livro de Mórmon, A Pérola de Grande Valor, Doutrina e Convênios, o mormonism e o movimento inteiro dos mórmons giram em torno desta questão básica: "É José Smith verdadeiramente um profeta de Deus?"
Perguntamos: se hoje um adolescente tivesse uma visão que lhe revelasse que todos os mórmons eram apóstatas e corruptos; que seus credos eram uma abominação a Deus, os mórmons receberiam sua história, sem provas, tão rapidamente quanto aceitaram a visão de José Smith? Por que não?
Com a ajuda de Deus procuraremos examinar justa e honestamente José Smith e alguns de seus ensinos, pois as Escrituras e o amor de Cristo a tanto nos constrangem. Deus ama a mórmons e a não-mórmons. Cristo morreu por todos nós. Perante Deus todos somos iguais - simples pecadores que precisam de um Salvador. Nesse sentido, estamos todos no mesmo pé. Precisamos fazer distinção clara e positiva entre mórmons e mormonismo. Oramos para que Deus nos dê um coração contrito e nos encha com seu amor pelos mórmons, e pensamos que isto ele já fez. Deus, e talvez os outros, possam julgar tal fato melhor do que nós. Mas amar o povo mórmon é uma coisa muito diferente que amar o mormonismo; assim como Deus pode amar o pecador, mas não o pecado. Por favor, tenha em mente essa distinção ao examinar a reivindicação de José Smith e do mormonismo.
Texto Extraído do Livro:
A Ilusão Mórmon (Prefácio),
de Floyd C. McElveen
Tradução de João Barbosa Batista
EDITORA VIDA.

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...