Pesquisa personalizada

sábado, 17 de outubro de 2009

A CPI DO ABORTO



A SITUAÇÃO DA DEFESA DA VIDA


DIFUNDA ESTA MENSAGEM.



EXPLIQUE A SEUS CONTATOS QUE A
DIVULGAÇÃO DO CONHECIMENTO É
NECESSÁRIA PARA A DEFESA DA VIDA.

====================================

A CPI DO ABORTO

====================================

APRESENTAÇÃO E RESUMO

Na sentença pela qual, no dia 17 de setembro de 2009, o
Diretório Nacional do Partidos dos Trabalhadores condenou os
deputados Luiz Bassuma e Henrique Afonso, acusados de violar
gravemente o Código de Ética Partidária por militarem contra a
legalização do aborto, afirma-se claramente que

"O ESTATUTO DO PT GARANTE A TODO
FILIADO O DIREITO DE MANIFESTAÇÃO
PÚBLICA SOBRE QUESTÕES DOUTRINÁRIAS E
POLÍTICAS",

mas exige que o comportamente dos afiliados

"SE LIMITE AO MERO EXERCÍCIO DO DIREITO
À LIBERDADE DE EXPRESSÃO",

sendo vedada qualquer

"MILITÂNCIA OSTENSIVA CONTRA A
RESOLUÇÃO DO 3º CONGRESSO NACIONAL DO
PT SOBRE A DESCRIMINALIZAÇÃO DO
ABORTO".

Isto é, os deputados petistas podem expressar publicamente que são
contra o aborto, mas SE FOREM ALÉM DISTO E
APRESENTAREM UM PROJETO DE LEI CONTRA O
ABORTO OU ATUAREM EFETIVAMENTE EM
DEFESA DA VIDA, ESTARÃO INFRINGINDO
GRAVEMENTE O CÓDIGO DE ÉTICA DO PARTIDO
E PODERÃO SER EXPULSOS DO PARTIDO.
Trata-se de decisão unânime do Diretório Nacional do Partido dos
Trabalhadores.

A íntegra da sentença, onde se encontram os textos mencionados,
pode ser lida no comunicado oficial que o PT publicou em seu site logo
após o julgamento, reproduzido amplamente em vários sites da
Internet.

Mas para o PT o ato mais imperdoável dos Deputados Luiz Bassuma e
Henrique Afonso foi a convocação de uma Comissão Parlamentar de
Inquérito para investigar quem está promovendo a implantação do
aborto no Brasil. Se instalada, a CPI descobriria facilmente não
apenas que há um projeto internacional interessado em promover o aborto
no Brasil mas, mais do que isso, a partir do momento em que chegou ao
poder, a cúpula do Partido dos Trabalhadores quis transformar-se no
principal aliado deste projeto, contrariando suas próprias bases
eleitorais e os interesses que ele afirma representar.

====================================

A CPI DO ABORTO

====================================

O Partido dos Trabalhadores condenou, no dia 17 de setembro de
2009, os deputados federais Luiz Bassuma (do Estado da Bahia)
e Henrique Afonso (do Estado do Acre), acusados de violarem
gravemente o Código de Ética do Partido, por terem se posicionado
contra o aborto, defendido a vida desde a concepção, apresentado
vários projetos de lei contra o aborto no Congresso Nacional, terem
fundado e liderado a Frente Parlamentar a Favor da Vida e
apresentado um requerimento que pedia a abertura de uma Comissão
Parlamentar de Inquérito para investigar quem estaria financiando a
promoção do aborto no Brasil. Segundo o julgamento, isto
representou uma infração contra a Ética Partidária que mereceu para
os dois deputados praticamente a sua expulsão virtual.

O julgamento foi presidido pelo próprio presidente nacional do
Partido dos Trabalhadores, o Deputado Ricardo Berzoini, na quinta
feira, dia 17 de setembro de 2009, na sede do Diretório
Nacional do Partido dos Trabalhadores, em Brasília. A
condenação foi por unanimidade. Uma comissão de 38 membros da
direção nacional do Partido dos Trabalhadores julgou, sem nenhuma
abstenção e sem nenhum voto contrário, que os deputados condenados
violaram gravemente a Ética do Partido ao se posicionarem a favor da
vida. A posição oficial do Partido dos Trabalhadores é pela
completa legalização do aborto.

Em comunicado oficial emitido no mesmo dia, o site do PT afirmou
claramente que a condenação dos deputados foi motivada porque os
deputados militavam contra a legalização do aborto:

"O Diretório Nacional do PT, reunido nesta quinta-feira
(17), analisou os pareceres das Comissões de Ética instauradas
contra os deputados federais Luiz Bassuma (PT-BA) e Henrique
Afonso (PT-AC). Por unanimidade, os membros do DN
entenderam que os dois deputados infringiram a ética-partidária ao
"militarem" contra resolução do 3º Congresso Nacional do PT a
respeito da descriminalização do aborto".

http://www.pt.org.br/portalpt/index.php?option=com_content&task=view&id=81962&Itemid=195

http://www.jusbrasil.com.br/politica/3686701/dn-suspende-direitos-partidarios-de-luiz-bassuma-e-henrique-afonso

http://edsrj.org/noticias/dn_suspende_direitos.htm

http://venicios.blogspot.com/2009/09/punicao-contra-henrique-afonso-foi.html

http://www.conteudo.com.br/providafamilia/pt-pune-deputados-pro-vida

Na sentença condenatória, que pode ser lida em sua íntegra no site
do PT, afirma-se que

"o Estatuto do PT garante a todo filiado o direito de manifestação
pública sobre questões doutrinárias e políticas",

mas exige que o comportamente dos afiliados

"se limite ao mero exercício do direito à liberdade de expressão",

sendo vedada qualquer

"militância ostensiva contra a resolução do 3º Congresso
Nacional do PT sobre a descriminalização do aborto".

http://www.pt.org.br/portalpt/index.php?option=com_content&task=view&id=81962&Itemid=195

Isto é, o filiado do PT pode manifestar-se contrariamente a uma
posição partidária, no caso a legalização do aborto, mas não
pode militar contra ela. Os deputados petistas podem afirmar
publicamente que são contra o aborto, mas se forem além disto,
apresentando um projeto de lei contra o aborto ou atuando efetivamente
pela defesa da vida, estarão infringindo gravemente o Código de
Ética do Partido e poderão ser expulsos do partido.

Na sentença condenatória, além da militância contra a
legalização do aborto, o Partido acusa o Deputado Bassuma de
conduta agressiva; mas o outro parlamentar, o Deputado Henrique
Afonso, em nenhum momento foi acusado de agressividade e mesmo assim
foi condenado, porque, conforme afirma a sentença,

"o comportamento do deputado acusado não se limitou ao mero exercício
do direito à liberdade de expressão, mas também veio a militar
ostensivamente contra resolução do 3º Congresso Nacional do PT
sobre a descriminalização do aborto";

http://www.pt.org.br/portalpt/index.php?option=com_content&task=view&id=81962&Itemid=195

Luiz Bassuma foi suspenso por um ano. Henrique Afonso por três
meses.

Em virtude da suspensão, os deputados Bassuma e Afonso estão
proibidos de participar das decisões na legenda e na Câmara, estão
impedidos de votar e participar nas Comissões Parlamentares, não
poderão votar nem ser votados nas eleições internas, terão que
retirar os projetos de lei que apresentaram em favor da vida e não
poderão posicionar-se mais publicamente sobre questões de defesa da
vida. Somente poderão votar nas decisões que chegarem ao plenário
da Câmara, junto com os votos dos mais de quinhentos colegas
restantes. Tornam-se, a partir do julgamento, deputados
praticamente apenas pelo nome, virtualmente impedidos de exercer a
atividade legislativa.

O PT está fazendo o possível para que as notícias do julgamento
não tenham repercussão junto ao público. Isto revelaria aos seus
eleitores e ao grande público a verdadeira face do Partido que ele
não quer que seja conhecida. A maioria dos jornais importantes do
Brasil não publicou nada a respeito deste julgamento, ou apenas
algumas pequenas notas marginais.

A CPI DO ABORTO

Mas para o PT o ato mais imperdoável do Deputado Bassuma foi a
convocação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito para
investigar quem está promovendo a implantação do aborto no Brasil.
Se instalada, a CPI descobriria facilmente não apenas que há um
projeto internacional interessado em promover o aborto no Brasil mas,
mais do que isso, a partir do momento em que chegou ao poder, a
cúpula do Partido dos Trabalhadores quis transformar-se no principal
aliado deste projeto, contrariando suas próprias bases eleitorais e os
interesses que ele afirma representar.

Tudo começou na quarta feira dia 10 de outubro de 2007, quando
realizou-se na Câmara dos Deputados a terceira audiência pública
para debater o projeto de lei PL 1135/91, o projeto que havia
sido encaminhado em setembro de 2005 pelo governo Lula à Câmara
dos Deputados o qual, se aprovado, extinguiria totalmente a figura do
crime de aborto do Código Penal e tornaria esta prática totalmente
livre, por qualquer motivo, durante todos os nove meses da
gestação.

Nesta audiência, o Deputado Luiz Bassuma questionou
contundentemente o projeto do governo e, no final, mencionando o
Ministro da Saúde, denunciou:

"Senhor Presidente, no programa televisivo Roda Viva, da TV
Cultura, nosso Ministro da Saúde fez uma declaração grave,
gravíssima. Eu tenho a fita gravada em meu escritório. O Ministro
da Saúde, José Temporão, foi perguntado pelos jornalistas:

"Senhor Ministro, [se o aborto for legalizado], como o Brasil
terá condições de financiar [um milhão e meio de] abortos [que
dizem ser feitos todos os anos] se nos hospitais estão faltando
gazes, esparadrapos e os brasileiros em muitos locais não tem
condições de fazer até mesmo um simples exame de sangue?"

"Sabe o que o Ministro respondeu, senhor presidente?"

"SE O BRASIL LEGALIZAR O ABORTO, NÃO
FALTARÃO PARA ISSO RECURSOS
INTERNACIONAIS".

"Ele disse isso. Eu tenho a fita gravada. Isso é gravíssimo. É
gravíssimo, senhor presidente!"

[http://www.pesquisasedocumentos.com.br/audienciapublica.mp3]

O deputado, posteriormente, referiu-se muitas vezes a este
episódio. O Portal AZ, entrevistando o deputado a este respeito,
divulgou que

"O deputado se revoltou com a resposta de Temporão: "Ele
respondeu", disse o deputado,

"que se o Brasil legalizar o aborto, não vai faltar dinheiro de
fora. Isso só confirma o que estamos denunciando a anos, de que
existem interesses internacionais. A Fundação Ford e Fundação
Rockefeller patrocinam projetos em países emergentes para controle da
natalidade pelo aborto. Por que o Ministro vai conseguir dinheiro de
fora só para o aborto? Por que não consegue dinheiro para combater a
dengue? Mas para implantar o aborto o dinheiro vem. É uma pergunta
que ele tem que responder e eu indaguei na justiça para ele
responder",

declarou o deputado".

http://www.portalaz.com.br/noticias/geral/95505_deputados_dizem_que_legalizacao_do_aborto_atende_interesses_internacionais.html

Por causa desta e de outras declarações do Ministro da Saúde, a
CPI do aborto foi criada na Câmara, a pedido do Deputado Luiz
Bassuma e mais a assinatura de 210 parlamentares, pelo Deputado
Arlindo Chinaglia, no dia 8 de dezembro de 2008.

http://www2.camara.gov.br/internet/homeagencia/materias.html?pk=129620&pesq=Arlindo
Chinaglia |Bassuma|

Uma semana depois, no dia 16 de dezembro, já acusado de violar o
Código de Ética do Partido, em sua defesa diante da Comissão de
Ética do Diretório Nacional do Partido dos Trabalhadores, o
Deputado Bassuma explicou o que realmente o havia levado a pedir a
criação da Comissão:

"Organismos internacionais europeus e norte-americanos investem
grandes somas de dólares em ONGS, projetos e assessoria a
parlamentares pró-aborto. As principais são: Fundação Ford e
Fundação Rockefeller. O objetivo político é criar obstáculos
para que nosso país seja de fato uma grande superpotência econômica.
O Brasil é ainda um grande país despovoado e mal povoado. Não
chegamos nem a 200 milhões de habitantes, sendo que aqui existe,
terra, água, energia e riqueza para que vivam mais de 1 bilhão de
seres humanos e vivam bem. O próprio Ministro da Saúde José
Temporão em um programa da TV Cultura "Roda Viva" ao responder
a uma pergunta de um jornalista da revista VEJA disse que caso o
aborto venha a ser legalizado no Brasil não faltariam recursos
estrangeiros. Um absurdo tão grande que coletei 200 assinaturas no
Congresso para instalar um CPI para apurar o assunto".

http://www.conteudo.com.br/providafamilia/defesa-do-dep-federal-luiz-bassuma-na-comissao-de-etica-do-diretorio-nacional-do-partido-dos-trabalhadores

Mas, desde que foi criada, a CPI do aborto ainda não conseguiu
ser instalada, devido à pressão das organizações não
governamentais que recebem apoio financeiro do exterior para assessorar
os parlamentares brasileiros na promoção da causa do aborto no
Congresso Nacional.

A principal destas organizações é o CFEMEA, uma entidade
criada pelos grupos feministas que se orgulham de terem impedido, na
Assembléia Constituinte de 1998, que a Constituição
brasileira reconhecesse o direito à vida desde a concepção.
Fortemente financiada, entre outras, pelas Fundações Ford de
Nova York e pela Fundação MacArthur de Chicago, com apoio da
ONU e do próprio governo brasileiro, o CFEMEA e outros grupos
tem pressionado as lideranças das bancadas dos partidos políticos no
sentido de se recusarem a nomear os parlamentares necessários para a
instalação da CPI, apesar de haver mais de duzentos congressistas
inscritos na Frente Parlamentar em Defesa da Vida (veja a lista no
final desta mensagem), sob o pretexto de que o verdadeiro objetivo da
Comissão seria o de humilhar publicamente as mulheres que provocaram o
aborto, convocando-as a depor no Congresso Nacional.

O site do CFEMEA assim se refere à CPI do Aborto:

"A CPI do aborto é uma verdadeira caça às bruxas, nos moldes da
inquisição, que levará as mulheres e suas organizações à
condenação pública, como vivenciado na Idade Média".

http://www.cfemea.org.br/jornalfemea/detalhes.asp?IDJornalFemea=1524

"A CPI do Aborto, de autoria do Deputado Luiz Bassuma, tem
como objetivo perseguir as organizações feministas e de mulheres,
usando métodos que nos remetem à época em que a razão era
considerada coisa do demônio, consagrando o arbítrio como forma de
deter os avanços da consciência social".

http://www.cfemea.org.br/noticias/detalhes.asp?IDNoticia=872

"Os deputados autodenominados 'defensores da vida' querem agora a
instalação de uma CPI para repetir os métodos da Inquisição,
que condenou milhares de mulheres à fogueira: a Idade Média em
pleno século 21. A representante do CFEMEA, Natália
Mori, declarou ser este um dos momentos mais medievais que já
presenciou".

http://www.cfemea.org.br/noticias/detalhes.asp?IDNoticia=884

Mas diante do que já se sabe que está por trás da promoção do
aborto, estas declarações beiram o puro ridículo. Após todas as
denúncias que já foram feitas até hoje, organizações tão
sofisticadas e bem financiadas como o CFEMEA não conseguem fazer
uso de nenhum outro meio mais inteligente para impedir que se investigue
quem está financiando a promoção do aborto no Brasil e até que
ponto o governo está envolvido com esta agenda internacional, do que
recorrer a argumentos medievais e esconder-se atrás da Inquisição.

ESCREVA AOS DEPUTADOS MEMBROS DA
FRENTE PARLAMENTAR EM DEFESA DA VIDA,
MANIFESTANDO APOIO AOS DEPUTADOS LUIZ
BASSUMA E HENRIQUE AFONSO, E
PEDINDO-LHES QUE INSTALEM O QUANTO
ANTES A COMISSÃO PARLAMENTAR DE
INQUÉRITO SOBRE O ABORTO.

====================================

DEPUTADOS E SENADORES DA FRENTE
PARLAMENTAR EM DEFESA DA VIDA.

====================================

dep.aberladocamarinha@camara.gov.br;
dep.antoniobulhoes@camara.gov.br;
dep.antoniocarlosmendesthame@camara.gov.br;
dep.arnaldofariadese@camara.gov.br;
dep.bispogetenuta@camara.gov.br;
dep.clodovilhernandes@camara.gov.br;
dep.dr.nechar@camara.gov.br; dep.dr.talmir@camara.gov.br;
dep.franciscorossi@camara.gov.br;
dep.frankaguiar@camara.gov.br; dep.joaodado@camara.gov.br;
dep.juliosemeghini@camara.gov.br; dep.lobbeneto@camara.gov.br;
dep.marceloortiz@camara.gov.br;
dep.marciofranca@camara.gov.br; dep.miltonmonti@camara.gov.br;
dep.nelsonmarquezelli@camara.gov.br;
dep.regisdeoliveira@camara.gov.br;
dep.renaldonogueira@camara.gov.br;
dep.dr.basegio@camara.gov.br;
dep.eliseupadilha@camara.gov.br;
dep.joseotaviogermano@camara.gov.br;
dep.luizcarlosbusato@camara.gov.br;
dep.pauloroberto@camara.gov.br;
dep.renatomolling@camara.gov.br;
dep.vilsoncovatti@camara.gov.br; dep.deciolima@camara.gov.br;
dep.joaomatos@camara.gov.br; neutodeconto@senador.gov.br;
dep.alceniguerra@camara.gov.br;
dep.alfredokaefer@camara.gov.br;
dep.andrevargas@camara.gov.br; dep.barbosaneto@camara.gov.br;
dep.chicodaproncesa@camara.gov.br;
dep.eduardosciarra@camara.gov.br; flavioarns@senador.gov.br;
dep.hermespacionello@camara.gov.br;
dep.luizcarloshauly@camara.gov.br;
dep.nelsonmeurer@camara.gov.br;
dep.osmarserraglio@camara.gov.br;
dep.ratinhojunior@camara.gov.br; dep.takayama@camara.gov.br;
dep.alexandrecardoso@camara.gov.br;
dep.alexandresantos@camara.gov.br;
dep.andreiazito@camara.gov.br;
dep.arnaldovianna@camara.gov.br;
dep.carlossantana@camara.gov.br; dep.deley@camara.gov.br;
dep.eduardocunha@camara.gov.br;
dep.filipepereira@camara.gov.br;
francisco.dornelles@senador.gov.br;
dep.geraldopudim@camara.gov.br; dep.hugoleal@camara.gov.br;
crivella@senador.gov.br; dep.nelsonbornier@camara.gov.br;
dep.pastormanoelferreira@camara.gov.br;
dep.rogeriolisboa@camara.gov.br;
dep.silviolopes@camara.gov.br;
dep.solangealmeida@camara.gov.br;
dep.capitaoassumcao@camara.gov.br; gecamata@senador.govr;
dep.lelocoimbra@camara.gov.br; magnomalta@senador.gov.br;
dep.manato@camara.gov.br; renatoc@senador.gov.br;
dep.rosedefreitas@camara.gov.br;
dep.ademircamilo@camara.gov.br;
dep.aeltonfreitas@camara.gov.br;
dep.bonifaciodeandrada@camara.gov.br;
dep.carlosmelles@camara.gov.br;
dep.carloswillian@camara.gov.br;
dep.edmarmoreira@camara.gov.br; eliseuresende@senador.gov.br;
dep.georgehikton@camara.gov.br;
dep.geraldothadeu@camara.gov.br; dep.gilmarmachado@camara.gov;
dep.joaobittar@camara.gov.br; dep.joaomagalhaes@camara.gov.br;
dep.josefernandoaparecidodeoliveira@camara.gov.br;
dep.juvenilalves@camara.gov.br;
dep.leonardomonteiro@camara.gov.br;
dep.leonardoquitao@camara.gov.br;
dep.lincolnportella@camara.gov.br;
dep.marcosmontes@camara.gov.br;
dep.mariodeoliveira@camara.gov.br;
dep.maurolopes@camara.gov.br; dep.miguelcoreajr@camara.gov.br;
dep.miguelmartini@camara.gov.br; dep.odaircunha@camara.gov.br;
dep.paulopiau@camara.gov.br;
dep.rodrigodecastro@camara.gov.br;
dep.virgilioguimaraes@camara.gov.br;
dep.vitorpenido@camara.gov.br;
wellington.salgado@senador.gov.br;
dep.colbertmartins@camara.gov.br;
dep.edgarmaobranca@camara.gov.br;
dep.felixmendonca@camara.gov.br;
dep.fernandodefabinho@camara.gov.br; joaodurval@senador.gov.br;
dep.josecarlosaraujo@camara.gov.br;
dep.josephbandeira@camara.gov.br;
dep.jusmarioliveira@camara.gov.br;
dep.luizbassuma@camara.gov.br;
dep.marceloguimaraesfilho@camara.gov.br;
dep.mauriciotrindade@camara.gov.br;
dep.severianoalves@camara.gov.br;
dep.ulduricopinto@camara.gov.br;
dep.walterpinheiro@camara.gov.br; almeida.lima@senador.gov.br;
dep.jacksonbarreto@camara.gov.br;
dep.jeronimoreis@camara.gov.br; maria.carmo@senadora.gov.br;
dep.beneditolira@camara.gov.br;
dep.cristianomatheus@camara.gov.br;
dep.givaldocarimbao@camara.gov.br;
dep.eduardodafonte@camara.gov.br;
dep.gonzagapatriota@camara.gov.br; marco.maciel@senado.gov.br;
dep.marcosantonio@camara.gov.br;
dep.silviocosta@camara.gov.br;
dep.damiaofeliciano@camara.gov.br;
dep.luizcouto@camara.gov.br; dep.romulogouveia@camara.gov.br;
dep.vitaldoregofilho@camara.gov.br;
dep.wellingtonroberto@camara.gov.br;
dep.wilsonsantiago@camara.gov.br;
dep.fabiofaria@camara.gov.br; garibaldi.alves@senador.gov.br;
dep.anibalgomes@camara.gov.br;
dep.ariostoholanda@camara.gov.br;
dep.arnonbezerra@camara.gov.br;
dep.eugeniorabelo@camara.gov.br;
sep.euniciooliveira@camara.gov.br;
dep.goretepereira@camara.gov.br;
dep.joselinhares@camara.gov.br;
dep.josepimentel@camara.gov.br;
dep.leoalcantara@camara.gov.br;
dep.marceloteixeira@camara.gov.br;
dep.maurobenevides@camara.gov.br;
dep.raimundogomesdematos@camara.gov.br;
dep.mussademes@camara.gov.br;
dep.nazarenofonteles@camara.gov.br;
dep.osmarjunior@camara.gov.br; dep.paeslandim@camara.gov.br;
dep.carlosbrandao@camara.gov.br;
dep.cleberverde@camara.gov.br; dep.clovisfecury@camara.gov.br;
dep.juliaoamin@camara.gov.br;
dep.waldirmaranhao@camara.gov.br; joaoribeiro@senador.gov.br;
leomar@senador.gov.br; dep.osvaldoreis@camara.gov.br;
dep.vicentinhoalves@camara.gov.br;
dep.carlosalbertolereia@camara.gov.br;
dep.irisdearaujo@camara.gov.br; dep.joaocampos@camara.gov.br;
dep.jovairarantes@camara.gov.br;
dep.leandrovilela@camara.gov.br;
dep.leonardovilela@camara.gov.br;
dep.luizbittencourt@camara.gov.br;
dep.mercelomelo@camara.gov.br; dep.pedrochaves@camara.gov.vr;
dep.pedrowilson@camara.gov.br;
dep.professoraraquelteixeira@camara.gov.br;
dep.rubensotoni@camara.gov.br; dep.sandesjunior@camara.gov.br;
dep.tatico@camara.gov.br; dep.izalci@camara.gov.br;
dep.jofranfrejat@camara.gov.br;
dep.osorioadriano@camara.gov.br; dep.rodovalho@camara.gov.br;
dep.antoniocarlosbiffi@camara.gov.br;
dep.antoniocruz@camara.gov.br; delcidio.amaral@senador.gov.br;
marisa.serrano@senadora.gov.br; dep.nelsontrad@camara.gov.br;
dep.waldirneves@camara.gov.br; dep.elienelima@camara.gov.br;
dep.valternirpereira@camara.gov.br;
dep.wellingtonfacundes@camara.gov.br;
dep.asdrubalbentes@camara.gov.br;
dep.belmesquita@camara.gov.br; flexaribeiro@senador.gov.br;
dep.gersonperes@camara.gov.br; dep.nilsonpinto@camara.gov.br;
dep.paulorocha@camara.gov.br; dep.zegeraldo@camara.gov.br;
dep.zenaldocoutinho@camara.gov.br;
dep.zequinhamarinho@camara.gov.br;
dep.jurandiljuarez@camara.gov.br; papaleo@senador.gov.br;
dep.ediolopes@camara.gov.br;
dep.franciscorodrigues@camara.gov.br;
dep.mariahelena@camara.gov.br;
dep.henriqueafonso@camara.gov.br;
dep.nilsonmourao@camara.gov.br; tiao.viana@senador.gov.br;
dep.anselmo@camara.gov.br; expedito.junior@senador.gov.br;
dep.lindomargarcon@camara.gov.r; dep.mauronazif@camara.gov.br;
dep.natandonadon@camara.gov.br;


Recebido por E-mail


Veja quais são os assuntos do momento no Yahoo! + Buscados: Top 10 - Celebridades - Música - Esportes

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...