Pesquisa personalizada

sábado, 15 de setembro de 2007

As Pseudo-Contradições da Bíblia

Achamos uma Pérola! temos inúmeros Sites que apregoam Supostas contradições bíblicas, achamos um porém que mostra Contradição nas contradições!!!
Segue Abaixo Artigo Publicado no Jesus Site, para saber mais sobre o Site, Click no Título desta Postagem. Boa Leitura!
A equipe do JesusSite dedica este estudo sobre as pseudo contradições bíblicas a todos os céticos de plantão, bem como a todas as pessoas que ingenuamente acreditam em pessoas ou publicações que distorcem as verdades bíblicas.
Nós do JesusSite acreditamos ser importante esclarecer estas 78 questões que nos foram enviadas, pois defendemos o nome de Jesus e a Bíblia Sagrada com "unhas e dentes" pois a Bíblia foi, é e sempre será a mais pura e absoluta expressão da verdade de Deus para os homens (de fé).
Introdução:
Vamos para efeito de estudo, nos referir a pessoa que nos enviou estas questões como Sr. Anônimo, pois apesar de ter-nos sido enviada por um leitor cético do JesusSite, não foi escrito por ele. Apenas um comentário: Quem conhece a verdade não se esconde atrás de anonimatos, pois este comportamente não é típico de pessoas de caráter.
O Sr. Anônimo falando...
Eu li a Bíblia de capa a capa. Chamar aquele livro de 'a palavra de Deus' é um insulto a Deus. Chamar aquele livro de um guia moral é uma afronta à decência e dignidade dos povos. Chamá-lo de guia para a vida é fazer uma piada de nossa existência. E pretender que ela seja a verdade absoluta é ridicularizar e subestimar o intelecto humano." (Anônimo)
Comentário do JesusSite:
O Sr. Anônimo pode ler a bíblia várias vezes quanto quiser, porém tem uma grande diferença entre ler e compreender. No seu caso falta total conhecimento bíblico, você não conhece Deus, não tem comunhão com ele, e em muitas questões blasfema contra o criador do céu e da terra, e de tudo ele que fez e faz!
Ele se acha muito sábio e inteligente, como muitos céticos por aí! O que é uma afronta é sua atitude covarde, pois nem coloca o seu nome, para nós do JesusSite e do povo de Deus, as questões abaixo colocadas, são ridículas pois maior é o que está nós, do que está neste mundo!
Por muitas vezes questionamos se deveríamos responder a essas questões, porém, percebemos que essa ação deixou de ser meramente humana, sabemos que há outro atrás disto, usando você para destruir aquilo que jamais será destruído. Muitos já tentaram destruir a Bíblia, porém: "Passará o céu e a terra, mas as minhas palavras não passarão." Marcos 13:31. A Bíblia sofreu e sofre ataques a longos anos, mesmo assim permanece majestosamente como a campeã de leitura de todas as idades. Muitos já deram a vida por ela e aqui estamos nós, mais do que antes apaixonados pelas palavras de Deus, pois você Sr. Anônimo não sabe o que está por vir, ou melhor finge que não sabe! A sua eterna derrota, pois Jesus nunca perdeu, sempre venceu, e estaremos vencendo junto com Ele. Aleluia!
IMPORTANTE: OS ARTIGOS MARCADOS COM SÃO AS DE AUTORIA DO PRESBÍTERO ANTONIO C. C. GOMES (EBD da Assembléia de Deus do Pq. Morumbi II – Foz do Iguaçu – Pr) .
As supostas contradições:
1
Judas morreu...

... enforcado ...

(Mt 27:5) Então ele, atirando para o templo as moedas de prata, retirou-se e foi-se enforcar.

... ou foi morto por Deus?

(At 1:18) Ora, este [Judas Escariotes] adquiriu um campo com a recompensa da iniquidade; e, precipitando-se, rompeu-se pelo meio, e todas as suas entranhas se derramaram.


R.: COMO JUDAS ESCARIOTE MORREU: Mateus diz que ele se enforcou; Lucas diz que caiu e se rompeu. Os pormenores vividos de Atos podem ser a narrativa do que aconteceu algum tempo depois que Judas se enforcou, quando o seu corpo decomposto foi derrubado da forca ou se desintegrou por causa da decomposição.
2
Devemos...

... santificar os Sábados ...

(Êx 20:8) Lembra-te do dia do Sábado, para o santificar.

(Êx 31:15) Qualquer que no dia do Sábado fizer algum trabalho, certamente será morto.

(Nm 15:32) ... acharam um homem apanhando lenha no dia de Sábado (...) Então disse o Senhor a Moisés: Tal homem será morto (...) e o apedrejaram até que morreu, como o Senhor ordenara a Moisés.

... ou seguir o exemplo de Jesus e seu Pai?

(Jo 5:8-9) Então lhe disse Jesus: Levanta-te! Toma a tua esteira e anda. Imediatamente o homem foi curado, tomou a sua esteira, e pôs-se a andar. Aquele dia era Sábado.

(Jo 5:16-17) Assim, porque Jesus fazia estas coisas no Sábado, os judeus o perseguiam. Jesus lhe disse: Meu Pai trabalha até agora, e eu trabalho também.

(Cl 2:16) Portanto, ninguém nos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa dos dias de festa, ou de lua nova, ou de Sábado.

R.: A palavra profética previa a chegada do Novo Concerto (Jr 31.31-33) e o fim do Sábado (Os 2.11), que se cumpriu em Jesus (Cl 2.14-17). Por essa razão, o Sábado não aparece nos quatro preceitos de Atos 15.20,29. O texto de Colossenses 2.16,17 deita por terra a santificação do sábado. Em Gálatas o livro inteiro ressalta que a salvação não é pelas obras da lei, mas pela fé em Cristo. Faz menção da observância de certos dias como uma parte da escravidão da lei (Gl 4.3-11)./ Cristo é o fim da lei ( Rm 6.14; 10.4).

3
Devemos fazer...

... imagens esculpidas ...

(Êx 25:18) Farás dois querubins de ouro batido nas duas extremidades do propiciatório. Em Êxodo fala-se de querubins, que são seres angélicos que existem sobretudo para glorificar a Deus. Imagens de querubins adornavam os utensílios do tarbenáculo como símbolos de adoraçãoa Deus, não como ídolos para ser adorados.

(Nm 21:8) Disse o Senhor a Moisés: Faze uma serpente abrasadora, põe-na sobre uma haste, e será que todo mordido que a mirar, viverá. R.:Deus mandou fazer a serpente não para adoração, e sim para cura, como remédio, sendo mordido sarará.

(1Rs 7:28-29) Tinham painéis que estavam entre molduras, sobre os quais haviam leões, bois e querubins. Esses bois eram símbolos do poder de Deus – nada mais. Não era objeto de adoração e conseqüentemente eram formas aceitáveis da arte religiosa de Israel.

... ou elas são abominações aos olhos do Senhor?

(Êx 20:4) Não farás para ti imagens de escultura.

(Lv 26:1) Não farás para vós ídolos, nem para vós levantareis imagem de escultura nem estátua.

(Dt 27:15) Maldito o homem que fizer imagem de escultura, ou de fundição, abominável ao Senhor.

(Jr 8:19) Por que me provocaram à ira com as suas imagens de escultura, com vaidades estranhas?

R.: O primeiro mandamento de Deus é: Não terás outros deuses diante de mim (Êxodo 20:3) e disse mais: Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra.
Não te encurvarás a elas e nem as servirás; porque eu, o SENHOR, teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a maldade dos pais nos filhos até à terceira e quarta geração daqueles que me aborrecem e faço misericórdia em milhares aos que me amam e guardam os meus mandamentos. (Êxodo 20:4-6)

(1) NÃO TERÁS OUTROS DEUSES DIANTE DE MIM. Este mandamento proíbe o politeísmo que caracterizava todas as religiões do antigo Oriente Próximo. Israel não devia adorar, nem invocar nenhum dos deuses doutras nações. Deus lhe ordenou a temer e a servir somente a Ele (Dt 32.29; Js 24.14,15).

20.4 IMAGEM DE ESCULTURA. A proibição da adoração a outros deuses determina que nenhuma imagem deles seja feita (Dt 4.19,23-28); é também vedado a qualquer pessoa fazer uma imagem do próprio Senhor Deus. Ele é infinitamente grandioso para ser representado por algo feito por mãos humanas. O segundo mandamento, no que concerne ao crente em Cristo, proíbe a feitura de imagens de Deus ou de criaturas, com o propósito de adoração, oração ou qualquer outro tipo de auxílio espiritual (Dt 4.15,16). O
princípio motivante desse mandamento está relacionado às três pessoas da Trindade, igualmente. (1) É impossível uma imagem ou quadro de Deus representar corretamente a sua glória e caráter pessoais (Is 40.18). (2) Deus é tão transcendente, tão santo e tão insondável, que qualquer imagem dEle o desonra e detrai a sua verdadeira natureza e aquilo que Ele tem revelado de si mesmo (32.1-6).
(3) Os pensamentos e conceitos do crente a respeito de Deus não devem basear-se em imagens ou pinturas dEle, mas na sua Palavra e na sua revelação através da pessoa e obra de Jesus Cristo (Jo 17.3).

4
Seremos julgados e/ou justificados (salvos)...

... somente por Deus ...

(Rm 8:33) É Deus quem os justifica.

(Ef 2:8-9) Pois é pela graça que sois salvos, por meio da fé . e isto não vem de vós, é Dom de Deus . não das obras, para que ninguém se glorie.

... somente pela fé ...

(Rm 3:20-28) Por isso ninguém será justificado diante dele pelas obras da lei (...) pois todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus, e são justificados gratuitamente pela sua graça (...) concluímos pois que o homem é justificado pela fé, sem as obras da lei.

(Gl 2:16) Sabemos que o homem não é justificado pelas obras da lei, mas pela fé em Jesus Cristo, também temos crido em Jesus Cristo para sermos justificados pela fé em Cristo, e não pelas obras da lei, porque pelas obras da lei ninguém será justificado.

... somente pelas obras ...

(Rm 2:6) Deus recompensará a cada um segundo as suas obras.

... pela fé e pelas nossas obras ...

(Tg 2:24) Vedes então que o homem é justificado pelas obras e não somente pela fé (...) Assim como o corpo sem o espírito está morto, assim também a fé sem as obras é morta.

... ou pelos caminhos ...

(Ez 7:3) ... e te julgarei conforme os teus caminhos ...

(Ez 7:27) Conforme o seu caminho lhes farei, e com os seus próprios juízos os julgarei.

(Ez 18:30) Portanto, eu vos julgarei, a cada um conforme os seus caminhos, ó casa de Israel, diz o Senhor Deus.

... ou pelo proceder e pelo mérito das obras?

(Jr 17:10) Eu sou o Senhor que esquadrinho o coração, e que sondo os afetos; eu dou a cada um segundo o seu proceder, e segundo o mérito das suas obras.


R.: Deus nos oferece livremente a vida eterna em Jesus Cristo,

SALVAÇÃO (gr. soteria) significa “livramento”, “chegar à meta final com segurança”,
“proteger de dano”. Já no AT, Deus revelou-se como o Salvador do seu povo (Êx 15.2; Sl 27.1; 88.1;
ver Dt 26.8 nota; Sl 61.2 nota; Is 25.6 nota; 53.5 nota). A salvação é descrita na Bíblia como “o
caminho”, ou a estrada através da vida, para a comunhão eterna com Deus no céu (Mt 7.14; Mc 12.14;
Jo 14.6; At 16.17; 2Pe 2.21; cf. At 9.2; 22.4; Hb 10.20). Esta estrada deve ser percorrida até o fim. A
salvação pode ser descrita como um caminho com dois lados e três etapas:
(1) O único caminho da salvação. Cristo é o único caminho ao Pai (Jo 14.6; At 4.12). A salvação nos é
concedida mediante a graça de Deus, manifesta em Cristo Jesus (3.24). A salvação é baseada na morte
de Cristo (3.25; 5.8), sua ressurreição (5.10) e sua contínua intercessão pelos salvos (Hb 7.25).
(2) Os dois lados da salvação. A salvação é recebida de graça, mediante a fé em Cristo
(3.22,24,25,28). Isto é, ela resulta da graça de Deus (Jo 1.16) e da resposta humana da fé (At 16.31;
Rm 1.17; Ef 1.15; 2.8)
(3) As três etapas da salvação. (a) A etapa passada da salvação inclui a experiência pessoal mediante a
qual nós, como cristãos, recebemos o perdão dos pecados (At 10.43; Rm 4.6-8) e passamos da morte
espiritual para a vida espiritual (1 Jo 3.14); do poder do pecado para o poder do Senhor (6.17-23), do domínio de Satanás para o domínio de Deus (At 26.18). A salvação nos leva a um novo relacionamento pessoal com Deus (Jo 1.12) e nos livra da condenação do pecado (1.16; 6.23; 1Co 1.18).
(b) A etapa presente da salvação nos livra do hábito e do domínio do pecado, e nos enche do Espírito
Santo. Ela abrange: o privilégio de um relacionamento pessoal com Deus como nosso Pai e com
Jesus como nosso Senhor e Salvador (Mt 6.9; Jo 14.18-23; ver Gl 4.6); a conclamação para
nos considerarmos mortos para o pecado (6.1-14) e para nos submetermos à direção do Espírito Santo
(8.1-16) e à Palavra de Deus (Jo 8.31; 14.21; 2Tm 3.15,16); o convite para sermos cheios do
Espírito Santo e a ordem de continuarmos cheios (ver At 2.33-39; Ef 5.18 ); a exigência para nos separarmos do pecado (6.1-14) e da presente geração perversa (At 2.40; 2Co 6.17); e (v) a chamada para travar uma batalha constante em prol do reino de Deus contra Satanás e suas hostes demoníacas (2Co 10.4,5; Ef 6.11,16; 1Pe 5.8).
(c) A etapa futura da salvação (13.11,12; 1Ts 5.8,9; 1Pe 1.5) abrange: nosso livramento da ira
vindoura de Deus (5.9; 1Co 3.15; 5.5; 1Ts 1.10; 5.9); nossa participação da glória divina (Rm 8.29;
2Ts 2.13,14) e nosso recebimento de um corpo ressurreto, transformado (1Co 15.49-52); e os
galardões que receberemos como vencedores fiéis (ver Ap 2.7). Essa etapa futura da salvação é o
alvo que todos os cristãos se esforçam para alcançar (1Co 9.24-27; Fp 3.8-14). Toda advertência,
disciplina e castigo do tempo presente da vida do crente têm como propósito preveni-lo a não perder
essa salvação futura (1Co 5.1-13; 9.24-27; Fp 2.12,16; 2Pe 1.5-11; ver Hb 12.1).

Só vamos obter a salvação em Cristo, aceitando-o como o único e suficiente salvador, crer, e seguindo os seus mandamentos.

5
Deus...

... nunca muda de idéia nem se arrepende do que faz ...

(Ml 3:6) Eu, o Senhor, não mudo.

(Nm 23:19) Deus não é homem para que minta, nem filho do homem para que se arrependa.

(1Sm 15:29) Aquele que é a Glória de Israel não mente nem se arrepende; pois não é homem para que se arrependa.

(Ez 24:14) Eu, o Senhor, o disse. Será assim, e o farei. Não tornarei atrás, não pouparei, nem me arrependerei.

(Tg 1:17) Toda boa dádiva e todo Dom perfeito é lá do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não há mudança nem sombra de variação.

... ou, às vezes, volta atrás e se arrepende?

(Êx 32:14) Então o Senhor se arrependeu do mal que dissera havia de fazer ao seu povo.

(Gn 6:6-7) Então arrependeu-se o Senhor de haver feito o homem sobre a terra, e isso lhe pesou no coração (...) pois me arrependo de os haver feito.

(Jn 3:10) Deus se arrependeu do mal que tinha dito lhes faria, e não o fez.

(2Rs 20:1-7) Ezequias adoeceu e o profeta Isaías disse: Assim diz o Senhor: Põe a tua casa em ordem, porque morrerás e não viverás. Ezequias orou ao Senhor e chorou muitíssimo. Então o Senhor fez Isaías voltar e falar para Ezequias que tinha ouvido as orações e o curou.

(Gn 18:23-33) Abraão consegue convencer a Deus que não deveria destruir a cidade de Sodoma se lá encontrasse pelo menos 10 justos. No início todos seriam destruídos, justos e ímpios, mas com a interferência de Abraão, que demonstrou ser um excelente argumentador, o Senhor amoleceu o coração e passou a ser mais condescendente. Dos 50 justos que havia falado anteriormente, se conformou em procurar apenas dez.

(1Sm 15:35) E o Senhor se arrependeu de haver posto a Saul rei sobre Israel.

(Jr 18:8-10) Se a tal nação, contra a qual falar, se converter da sua maldade, também eu me arrependerei do mal que pensava fazer-lhe (...) se ela fizer o mal diante dos meus olhos, não dando ouvidos à minha voz, então me arrependerei do bem que tinha dito que faria.


R.: Deus nunca falha; nunca hesita; nunca muda. Por sua própria natureza, Ele é fiel e leal às suas promessas e alianças. Mesmo assim, esse atributo de fidelidade de Deus não exclui a possibilidade de Ele alterar seus planos ou intenções sob determinadas circunstâncias. Por exemplo, Deus realmente muda, às vezes, seus planos no tocante a juízo, em resposta às orações intercessórias do seu povo fiel (ver Êx 32.11,14) ou como resultado do arrependimento de um povo iníquo (Jn 3.1-10; 4.2).

Intercessórias são as nossas orações, exemplo o arrependimento de Ezequias a favor de Israel (2Cr 29.3-10,36); a suspensão do castigo de Nínive (Jn 3.1-10). A vontade de Deus é dinâmica. Como em qualquer outro relacionamento, o de Deus com a humanidade implica dar e receber. Deus adapta as suas reações às nossas; nós adaptamos as nossas às de Deus. Portanto, nesse sentido, podemos dizer que Deus às vezes muda de idéia para atender às nossas orações.
Ao mesmo tempo, a vontade de Deus é resoluta. Ele institui decretos e fez promessas que não podem mudar. Cumpriu a aliança firmada com os israelitas (Dt. 7.7,8) e cumpre o novo concerto que fez conosco (Jó 6.37-40,44).
Deus quer de nós obediência à sua vontade. Predeterminou de que modo devemos corresponder, mas temos a liberdade de reagir como quisermos (Sl 143.10; Hb 10.35-39; 1 Ts 5.16-18; 2Pe 3.9).
Deus está no controle. Podemos comparar a relação entre Deus, sua vontade e seu povo como uma partida de xadrez entre um novato e um mestre. O iniciante pode fazer o lance que quiser, e o mestre jogará de acordo com o lance feito. Mas o mestre estará sempre no controle do jogo. A analogia é limitada e não pode ser levada muito adiante: o povo de Deus “ganha” quando faz a vontade do Mestre

6
Os filhos devem pagar...

... pelos pecados dos pais ...

(Is 14:21) Preparai a matança para os filhos por causa da maldade de seus pais, para que não se levantem e possuam a terra...

(Êx 20:5) Pois eu, o Senhor teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a maldade dos pais nos filhos até a terceira e quarta geração.

(Êx 34:7) Ao culpado não tem por inocente; castiga a iniquidade dos pais sobre os filhos dos filhos até a terceira e quarta geração.

(1Cr 15:22) Pois assim como todos morreram em Adão...

(Dt 5:9) Pois eu, o Senhor teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a maldade dos pais nos filhos até a terceira e quarta geração.

... ou não?

(Ez 18:20) O filho não levará a maldade do pai, nem o pai levará a maldade do filho.

(Dt 24:16) Os pais não serão mortos pela culpa dos filhos, nem o filho pela culpa dos pais.

R.: Deus nos castiga pelos pecados que de fato cometemos. Em nenhum lugar da Bíblia o cristão justificado paga eternamente pelos pecados dos pais. De maneira inequívoca, Deus afirma que um filho que age com retidão, ainda que tenha um pai pecador, não morrerá pelos pecados do pai (Ez 18.14-20). A lei afirma: Os pais não serão mortos em lugar dos filhos, nem os filhos, em lugar dos pais; cada qual será morto pelo seu pecado (Dt. 24.16)
Isso não significa dizer, entretanto, que nada passa adiante na árvore genealógica. Os padrões de comportamento pecaminoso são muitas vezes transmitidos para os membros da família. Um ambiente de alcoolismo, de abuso ou de violência sexual, por exemplo, pode deixar cicatrizes numa criança para toda vida. Não obstante, os filhos responderão a Deus pela vida deles, não pela dos pais.
Há situações na Bíblia em que os filhos experimentam as trágicas conseqüências do pecado dos pais. O relacionamento extraconjugal de Davi com Bate-Seba, por exemplo, resultou na morte do primeiro filho dessa união (v. 2Sm 12,14,18). Hoje, os “filhos do crack” sofrem pelo comportamento das mães. Até que se rompa o ciclo do vício, geração após geração os indivíduos sofrerão as conseqüências do pecado.
As boas novas do evangelho são que o ciclo pode ser interrompido. Ezquias, filho do perverso rei Acaz, desfez o ciclo quando se voltou para Deus. Assim também Josias, filho do tirano Amom. Sempre que os filhos contrariam o padrão estabelecido pelos pais pecadores, podem receber as bênçãos de Deus. O evangelho de Jesus Cristo garante o poder de quebrar as cadeias do pecado sobre as famílias

7
Deus é...

... bom ...

(Sl 45:9) O Senhor é bom para todos. Este versículo está errado. Em Salmos 45.9 diz: As filhas dos reis estavam entre as tuas ilustres donzelas; à tua direita estava a rainha ornada de finíssimo ouro de Ofir.

(Dt 32:4) Ele é justo e reto. Este versículo está incompleto, o correto é: Ele é a Rocha cuja obra é perfeita, e porque todos os seus caminhos juízo são; Deus é a verdade, e não há nele injustiça; justo e reto é.

... ou ruim?

(Is 45:7) Eu formo a luz, e crio as trevas, eu faço a paz, e crio o mal; eu, o Senhor, faço todas essas coisas.

(Lm 3:38) Não é da boca do Altíssimo que saem o mal e o bem?

(Jr 8:11) Assim diz o Senhor: Olhai! Estou forjando mal contra vós, e projeto um plano contra vós.

(Ez 20:25-26) Também lhe dei estatutos que não eram bons, e juízos pelos quais não haviam de viver; deixei-os contaminar-se em seus próprios dons, nos quais faziam passar pelo fogo tudo o que abre a madre, para os assolar, a fim de que soubessem que Eu sou o Senhor.

R.: Porque um Deus amoroso criaria o mal? Isaías 45:7. O mal neste versículo não é pecado nem iniqüidade; é o dano, o infortúnio, a desventura. A melhor resposta talvez se baseie no quadro de Deus como pai amoroso, que oferece cuidados mas exige obediência. O mal que nós como leitores é que tinham em mente era o cativeiro dos judeus, que claramente visava a ser uma lição para Israel, que os levaria a maior obediência.

Todos os sofrimentos deste mundo têm sua origem num único acontecimento trágico – a desobediência de Adão e de Eva (Gn 3.6-7). Por conseqüência, o pecado e seus resultados – o sofrimento e o mal – entraram no mundo. Mas as mãos de Deus não ficaram paralisadas por causa disso.
Deus, ao efetuar os seus desígnios, muitas vezes lança mão do sofrimento para nos disciplinar. Quando os israelitas pecavam deliberadamente, em atitude de desafio, Deus provocava grandes danos, impingindo-lhes catástrofes. O pecado da nação tinha de ser castigado; assim exigia a santidade de Deus. Quando se recusavam a se arrepender, restava somente o sofrimento como modo de leva-los ao arrependimento.
O sofrimento pode obrigar-nos a tirar a atenção do trivial, fixando-a nas coisas eternas, deixar a ganância do dinheiro e dos bens para um relacionamento com Deus. A dor pode ser uma ferramenta eficaz para ajustar a nossa mira nas coisas de Deus e para nos levar a viver de modo mais semelhante a Cristo.

Deus é nosso pai celestial. Qual pai que não quer bem ao seu filho? Por muitas vezes nosso pai biológico nos repreende, assim nosso Pai que está no céu o faz também, porque Ele antes de tudo nos ama, e deseja a nossa vitória, resta nós sermos obedientes para sermos abençoados.

8

Deus é Deus...

... da paz ...

(Rm 15:33) E o Deus da paz seja com todos vós. Amém.

(Iz 2:4) (Is 2:4) Ele exercerá o seu juízo entre as nações, e repreenderá a muitos povos. Estes converterão as suas espadas em arados e as suas lanças em podadeiras. Não levantará espada nação contra nação, nem aprenderão mais a guerra.

... ou da guerra?

(Êx 15:3) O Senhor é um guerreiro; o Senhor é o seu nome.

(Jl 3:9-10) Proclamai isto entre as nações: Santificai uma guerra! (...) Forjai espadas das relhas dos vossos arados, e lanças da vossas podadeiras.
Deus conclamou as nações à batalha? Em certo sentido, sim. O tema é o juízo mas agora esta profecia de Joel alcança um futuro distante. Na grande batalha final, todos os exércitos das trevas, sob o comandante a besta (Ap. 19.19), marcharão contra Deus e seus exércitos da justiça. A besta e as suas legiões serão totalmente esmagadas pela vitória total de Deus. Seguindo ainda neste capítulo e o versículo 13: “Lançai la foice, porque já está madura a seara; vinde, descei, porque o lagar está cheio, os vasos dos lagares transbordam; porquanto a sua malícia é grande.” O tipo de seara que Deus pretende ceifar, será soldados ou talvez nações que os cereais serão ceifados com a foice. A seara é a matança – os que forem derrubados pelo juízo divino – na última batalha entre o bem e o mal, com a segunda vinda de Cristo.

Em Sofonias 1:12 “E há de ser que, naquele tempo, esquadrinharei Jerusalém com lanternas e castigarei os homens que estão assentados sobre as suas fezes, que dizem no seu coração: O SENHOR não faz bem nem faz mal.”
Muitos do povo de Judá tinham um conceito deísta de Deus (i.e., de que Deus não está ativamente envolvido nos assuntos cotidianos da humanidade). Acreditavam que Deus não castigaria o pecado do povo.
Os que adotam tal atitude, descobrirão, com pavor, no dia do juízo, que Deus os punirá por causa daqueles pecados que não abandonaram.
Deus não está distante dos assuntos humanos, nem deixa de neles envolver-se. Ele recompensará os que o buscam, e condenará os que dEle se desviam para praticar o mal (ver Rm 2.5-11).


Para melhor entendimento, leia a definição, a interrupção e restauração da paz :
DEFINIÇÃO DE PAZ. A palavra hebraica para “paz” é shalom. Denota muito mais do que a
ausência de guerra e conflito. O significado básico de shalom é harmonia, plenitude, firmeza, bem-estar
e êxito em todas as áreas da vida.
(1) Pode referir-se à tranqüilidade nos relacionamentos internacionais, tal como a paz entre as nações
em guerra (1Sm 7.14; 1Rs 4.24; 1Cr 19.19).
(2) Pode referir-se, também, a uma sensação de tranqüilidade dentro de uma nação durante tempos de
prosperidade e sem guerra civil (2Sm 3.21-23; 1Cr 22.9; Sl 122.6,7).
(3) Pode ser experimentada com integridade e harmonia nos relacionamentos humanos, tanto dentro do
lar (Pv 17.1; 1Co 7.15) quanto fora (Rm 12.18; Hb 12.14; 1Pe 3.11).
(4) Pode referir-se ao nosso senso pessoal de integridade e bem-estar, livre de ansiedade e em paz com
a própria alma (Sl 4.8; 119.165; cf. Jó 3.26) e com Deus (Nm 6.26; Rm 5.1).
(5) Finalmente, embora a palavra shalom não seja empregada em Gn 1—2, ela descreve o mundo
originalmente criado, que existia em perfeita harmonia e integridade. Quando Deus criou os céus e a
terra, criou um mundo em paz. O bem-estar total da criação reflete-se na breve declaração: “E viu Deus
tudo quanto tinha feito, e eis que era muito bom” (Gn 1.31).

A INTERRUPÇÃO DA PAZ. Quando Adão e Eva deram atenção à voz da serpente, e comeram da
árvore proibida (Gn 3.1-7), sua desobediência introduziu o pecado e se interrompeu a harmonia original
do universo.
(1) Naquele momento, Adão e Eva experimentaram, pela primeira vez, culpa e vergonha diante de Deus
(Gn 3.8), e uma perda da paz interior.
(2) O pecado de Adão e Eva no jardim do Éden destruiu seu relacionamento harmonioso com Deus.
Antes de comerem daquele fruto, tinham íntima comunhão com Deus (cf. 3.8), mas depois
esconderam-se “da presença do SENHOR Deus, entre as árvores do jardim” (Gn 3.8). Ao invés de
sentirem anelo pela conversa com Deus, agora tiveram medo da sua voz (Gn 3.10).
(3) Além disso, interrompeu-se o relacionamento harmonioso entre Adão e Eva como marido e mulher.
Quando Deus começou a falar-lhes a respeito do pecado que haviam cometido, Adão lançou a culpa
em Eva (Gn 3.12), e Deus declarou que a rivalidade entre o homem e a mulher continuariam (Gn 3.16).
Assim começou o conflito social que agora é parte integrante das difíceis relações humanas, desde as
discussões e a violência no lar (cf. 1Sm 1.1-8; Pv 15.18; 17.1), até os conflitos e guerras internacionais.
(4) Finalmente, o pecado interrompeu a harmonia e a unidade entre a raça humana e a natureza. Antes
de Adão pecar, trabalhava alegremente no jardim do Éden (Gn 2.15), e andava livremente entre os
animais, dando nome a cada um (Gn 2.19,20). Parte da maldição divina após a queda envolvia a
inimizade entre a serpente e Adão e Eva (Gn 3.15), bem como uma nova realidade: o trabalho
produziria suor e labuta (Gn 3.17-19). Antes havia harmonia entre a raça humana e o meio-ambiente,
agora luta e conflito de modo que “toda a criação geme e está juntamente com dores de parto até
agora” (ver Rm 8.22 nota).

A RESTAURAÇÃO DA PAZ. Embora o resultado da queda fosse a destruição da paz e do
bem-estar para a raça humana, e até mesmo para a totalidade do mundo criado, Deus planejou a
restauração do shalom; logo, a história da reconquista da paz é a história da redenção em Cristo.
(1) Tendo em vista que Satanás deu início à destruição da paz no mundo, o restabelecimento da paz
deve envolver a destruição de Satanás e do seu poder. Por isso, muitas das promessas do AT a
respeito da vinda do Messias eram promessas da vitória e paz vindouras. Davi profetizou que o Filho de
Deus governaria as nações (Sl 2.8,9; cf. Ap 2.26,27; 19.15). Isaías vaticinou que o Messias reinaria
como o Príncipe da Paz (Is 9.6,7). Ezequiel predisse que o novo concerto que Deus se propôs
estabelecer através do Messias seria um concerto de paz (Ez 34.25; 37.26). E Miquéias, ao profetizar o
nascimento em Belém do rei vindouro, declarou: “E este será a nossa paz” (Mq 5.5).
(2) Por ocasião do nascimento de Jesus, os anjos proclamaram que a paz de Deus acabara de chegar à
terra (Lc 2.14). O próprio Jesus veio para destruir as obras do diabo (1Jo 3.8) e para romper todas as
barreiras de conflito que tomasse parte da vida a fim de fazer a paz (Ef 2.12-17). Jesus deu aos
discípulos a sua paz como herança perpétua antes de ir à cruz (Jo 14.27; 16.33). Mediante a sua morte
e ressurreição, Jesus desarmou os principados e potestades hostis, e assim possibilitou a paz (Cl 1.20;
2.14,15; cf. Is 53.4,5). Por isso, quando se crê em Jesus Cristo, se é justificado mediante a fé e se tem
paz com Deus (Rm 5.1). A mensagem que os cristãos proclamam são as boas-novas da paz (At 10.36;
cf. Is 52.7).
(3) Apenas saber que Cristo veio como o Príncipe da Paz não garante que a paz se tornará
automaticamente parte da vida; para experimentar a paz há que se estar unido com Cristo numa fé ativa.
O primeiro passo é crer no Senhor Jesus Cristo. Quando assim faz, a pessoa é justificada pela fé (Rm
3.21-28; 4.1-13; Gl 2.16) e assim tem paz com Deus (Rm 5.1). Juntamente com a fé, deve-se andar em
obediência aos mandamentos divinos a fim de viver-se em paz (Lv 26.3,6). Os profetas do AT
declaram freqüentemente que não há paz para os ímpios (Is 57.21; 59.8; Jr 6.14; 8.11; Ez 13.10, 16).
A fim de que os crentes conheçam sua paz perpétua, Deus lhes tem dado o Espírito Santo, que começa
a operar em nós um aspecto do fruto, que é a paz (Gl 5.22; cf. Rm 14.17; Ef 4.3). Com a ajuda do
Espírito, deve-se orar pedindo a paz (Sl 122.6,7; Jr 29.7; ver Fp 4.7 nota), deixar que a paz governe o
coração (Cl 3.15), buscar a paz e segui-la (Sl 34.14; Jr 29.7; 2Tm 2.22; 1Pe 3.11), e esforçar-se por
viver em paz com o próximo (Rm 12.18; 2Co 13.11; 1Ts 5.13; Hb 12.14).


Tire agora a sua conclusão. Em que lado você está? Da benção ou da maldição?

9
Deus...

... tenta ... Deus não tentou, Ele pôs à prova!

(Gn 22:1) Depois dessas coisas, provou Deus a Abraão, dizendo-lhe: Abraão! E este respondeu: Eis-me aqui. Então disse Deus: toma o teu filho, o teu único filho, Isaque, a quem amas, e vai à terra de Moriá, e oferece-o ali em holocausto.

... ou não tenta as pessoas?

(Tg 1:13) Ninguém, ao ser tentado, diga: Sou tentado por Deus. Pois Deus não pode ser tentado pelo mal, e Ele a ninguém tenta.


R.: Gn 22.1 A fé que Abraão tinha em Deus e sua dedicação a Ele, foram testadas ao máximo. Deus o mandou fazer uma coisa totalmente contrária ao seu bom-senso, ao seu amor paternal e à sua esperança, que era seu filho (v. 2). Na história de Abraão, vemos três grandes testes da sua fé: (1) a chamada divina para separar-se dos seus parentes e da sua pátria (12.1) e para sair,
sem saber para onde ia (11.8); (2) a exigência de confiar em Deus para o cumprimento da promessa do concerto, sem ocorrer tal cumprimento por vinte e cinco anos (12.1-3; 15.6,8; 18.9-14; Hb 11.8-13); (3) a ordem de sacrificar a Isaque, o filho prometido por Deus (cap. 22). Como aconteceu a Abraão, será testada a fé verdadeira de todo crente.
Gn 22.2 TOMA AGORA O TEU FILHO. Deus ordenara a Abraão sacrificar a seu próprio filho, Isaque. (1) O ponto principal aqui, concerne a dois lados do caso que ilustram critérios adotados por Deus ao lidar com todo crente. (a) O amor de Abraão por Deus era maior do que seu amor por outras pessoas, inclusive seu filho amado? (b) A esperança e a expectativa que Abraão tinha no cumprimento da promessa
ainda se firmavam em Deus, ou ele passara agora a confiar noutra coisa, i.e., em Isaque? (2) Por meio dessa prova, Deus forçou Abraão a encarar essas perguntas e demonstrar se realmente temia e amava a Deus de todo o seu coração (v. 12). (3) Deus não queria realmente a morte física de Isaque (vv. 12,13), pois posteriormente Ele condenou o sacrifício humano como pecado hediondo (Lv 20.1-5).
Deus queria mesmo era testar a dedicação de Abraão.

Como vê, Deus não tenta (tentar é procurar levar uma pessoa a fazer algo errado, e quem tenta com nossa vida é Satanás), Ele põe à prova (é quando Deus dá a uma pessoa a oportunidade de fazer algo certo). Deus nunca procura fazer-nos tropeçar, mas permite circunstâncias difíceis para moldar o nosso caráter e a nossa maturidade.


10
Deus...

... tem compaixão dos homens ...

(Sl 145:9) O Senhor é bom para todos; tem compaixão de todas as suas obras.

... ou não tem?

(Jr 13:14) Fa-los-ei em pedaços, atirando uns conta os outros, tanto os pais como os filhos, diz o Senhor. Não perdoarei nem pouparei, nem terei compaixão deles, para que não os destrua.

R.: Sl 145:8 BENIGNO É O SENHOR. Este refrão tão repetido expressa o deleite de Deus em demonstrar misericórdia ou compaixão (Êx 34.6,7). Ao contemplar o sofrimento, Ele se move à compaixão. Ele é tardio em irar-se ante os nossos delitos, e prontamente manifesta sua misericórdia ao buscarmos seu perdão (cf. Êx 3.7; Jz 2.18).
Sl 145:8 PERTO... DE TODOS OS QUE O INVOCAM. Todos que invocam a Deus em verdade (i.e., de coração sincero e reto) terão a certeza de que Ele está perto. Ele ouvirá a sua oração, satisfará sua petição por socorro e efetuará o seu livramento (v. 19). E terá compaixão, misericórdia ou compaixão!


11
O pai de José...

... foi Jacó ...

(Mt 1:16) Jacó gerou a José, marido de Maria, da qual nasceu Jesus, que se chama o Cristo.


... ou Heli?

(Lc 3:23) E o mesmo Jesus, quando começou o seu ministério, tinha cerca de 30 anos, filho, como se julgava, de José, o qual foi filho de Heli.
R.: Este capítulo mostra a linhagem de Jesus através dos ascendentes de Maria, sua mãe, que também era da linhagem davídica. Lucas enfatiza que Ele procede da carne (i.e., filho) de Maria e, portanto, um como nós (cf. Rm 1.3). Assim, os escritores dos Evangelhos declaram o direito legal e também físico de Jesus ao messiado.

E em Mateus 1:1 GERAÇÃO DE JESUS CRISTO. O Evangelho segundo Mateus começa com a genealogia de Jesus Cristo, a qual retrata a linhagem ancestral de Jesus pela linha paterna (a de José), segundo o costume judaico (v. 16). José não era o pai biológico de Jesus, contudo era o pai legal (v. 20). Mateus fez assim a fim de comprovar aos judeus que Jesus era o Messias esperado, que governaria eternamente o povo de Deus (cf. Is 11.1-5), pois Deus prometera que o Messias seria um descendente da família de Davi (2 Sm 7.12-19; Jr 23.5), bem como da de Abraão (Gn 12.3; Gl 3.16).


12
Quem foi ao sepulcro?

Uma mulher...

(Jo 20:1) Na madrugada do primeiro dia da semana, sendo ainda escuro, Maria Madalena foi as sepulcro, e viu que a pedra fora revolvida da entrada. Correu ela e foi ter com Simão Pedro e com os outros discípulos.

... duas mulheres ...

(Mt 1:16) Correção este versículo é 28:1 Depois do Sábado, ao raiar do primeiro dia da semana, Maria Madalena e a outra Maria foram ver o sepulcro.

... três mulheres ...

(Mc 16:1-2) Passado o Sábado, Maria Madalena, Maria, mãe de Tiago, e Salomé compraram aromas para irem ungir o corpo de Jesus. Muito cedo, no primeiro dia da semana, logo depois do nascer do Sol, foram ao sepulcro.

... ou várias mulheres?

(Lc 23:54-55; 24:1; 24:10) Era o dia da preparação e ia começar o Sábado. As mulheres que tinham vindo com ele da Galiléia, seguiram a José e viram o sepulcro, e como o corpo fora ali depositado (...) No primeiro dia da semana bem cedo, elas foram ao sepulcro, levando as especiarias que tinham preparado (...) Eram Maria Madalena, Joana, Maria, mãe de Tiago e as outras que com elas estavam...

R.: Como se observa Maria Madalena está presente nos quatro evangelhos, porém no Evangelho de Lucas
vemos que ele era um escritor culto e hábil, um historiador atento e teólogo inspirado. Quando Lucas escreveu o seu Evangelho, a igreja gentia não tinha nenhum desses livros completos ou bem conhecidos, a respeito de Jesus. Lucas não foi testemunha ocular, porém investigou tudo cuidadosamente “desde o princípio” (1.3), e, provavelmente, fez pesquisas na Palestina enquanto Paulo esteve na prisão em Cesaréia (At 21.17; 23.23—26.32) e terminou o seu Evangelho perto do fim daquele período, ou pouco depois de chegar a Roma com Paulo (At 28.16). Porisso se observa que o capitulo e versículos acima o mais completo, é o de Lucas.

Os autores dos evangelhos de Mateus e João são testemunhas oculares, pois foram apóstolos de Jesus, Marcos não foi apóstolo, mas registrou os acontecimentos que ouvia de Pedro e Lucas era um médico grego que escreveu o evangelho com muita precisão nas informações, pois era um homem instruído que recorreu a várias fontes para redigir a vida de Cristo.

Todos os evangelhos são igualmente importantes e, para obter uma imagem completa da vida de Jesus, deve-se estudar os quatro. Cada um ressalta uma faceta diferente do caráter do Mestre
Mateus: Jesus, o Messias e Rei
Marcos: Jesus, o Filho-Servo
Lucas: Jesus, o Salvador Divino-Humano
João: Jesus, o Filho de Deus

As que foram no sepulcro são as mulheres, juntamente com Maria Madalena. Que importa a quantidade de mulheres? O que importa é que Jesus vive!

13
As últimas palavras de Jesus são as que estão em...

... Mt 27:46...

Por volta da hora nona exclamou Jesus em alta voz: Eli, Eli, lemá sabactâni, que quer dizer: Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?

Porque você não colocou o Evangelho de Marcos? Esqueceu?
Em Marcos 15:34: “E, à hora nona, Jesus exclamou com grande voz, vdizendo: Eloí, Eloí, lemá sabactâni? Isso, traduzido, é: Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?”

... ou em Lc 23:46 ...

Jesus clamou com grande voz: Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito. Havendo dito isto, expirou.

... ou em Jo 19:30?

Quando Jesus recebeu o vinagre, disse: Está consumado! E inclinando a cabeça, entregou o espírito.


R.: Observa-se que o Sr. Anônimo não colocou o evangelho de Marcos, tive que colocar, será que ele esqueceu? A resposta de sua pergunta é praticamente a mesma da anterior.
Eu imagino como havia muitas pessoas naquele momento, que riam e debochavam, zombavam de Jesus, pois diziam: “Salvou os outros e não pode salvar-se a si mesmo.” Na verdade você é outro que quer zombar de Jesus e daqueles que o servem, não é mesmo? Nós cristãos não vemos isso como contradição, vemos Jesus no Gólgota como nosso salvador, que recebeu todos os pecados do mundo, todas as maldições e que morreu por mim e por você para nos dar a vida eterna. Os relatos da últimas falas de Jesus na cruz, explica bem os temas dos evangelhos: Mateus e Marcos Jesus como Rei e Servo
Lucas como salvador divino-humano e João como Filho de Deus:
Outro detalhe de grande importância seria, porque quatro evangelhos? Não poderia ser apenas um livro apenas contando a vida de Jesus? O livro de Jesus? Como vê a sabedoria de Deus é divina, pois cada um deles relatou o que mais importante havia, ou melhor, o mais importante que eles viram ou ouviram! Todos quatro são imagens fiéis de Jesus de Nazaré e nos ajudam a compreender o Senhor de maneira completa

14
Jesus profetizou que Pedro o negaria...

... antes do galo cantar uma vez ...

(Mt 26:34) Disse-lhes Jesus: Em verdade te digo que, nesta mesma noite, antes que o galo cante, três vezes me negarás.

... ou duas vezes?

(Mc 14:30) Em verdade te digo que hoje, esta noite, antes que o galo cante duas vezes, três vezes me negarás.

R.: Idem resposta anterior.


15
Pedro negou conhecer Jesus...

... três vezes, antes do galo cantar uma vez ...

(Mt 26:74-75) Então começou ele a praguejar e a jurar, dizendo: Não conheço esse homem. E imediatamente o galo cantou. Então Pedro se lembrou das palavras que Jesus lhe dissera: Antes que o galo cante, três vezes me negarás.

(Lc 22:60) E Pedro lembrou-se da palavra que o Senhor lhe havia dito: Hoje, antes que o galo cante, três vezes me negarás.

... três vezes, antes do galo cantar duas vezes ...

(Mc 14:72) Imediatamente o galo cantou segunda vez. Então Pedro lembrou-se da palavra que Jesus lhe tinha dito: Antes que o galo cante duas vezes, três vezes me negarás.

... duas vezes, antes do galo cantar uma vez ...

(Jo 18:27) De novo Pedro negou, e naquele momento um galo começou a cantar.

... ou três vezes, sem que o galo cantasse uma única vez?

(Jo 13:38) Jesus respondeu: Tu darás a tua vida por mim? Em verdade, em verdade te digo que de modo algum cantará o galo antes que me negues três vezes.

R.: idem resposta anterior

16
Jesus é...

... igual...

(Jo 10:30) Eu e o Pai somos um.

... ou inferior ao seu Pai?

(Jo 14:28) Porque eu vou para o Pai, pois o Pai é maior do que eu.

R.: Quando Jesus dizia que eu e o Pai somos um, falava e agia em nome de Deus, porque estava em Deus e Deus nele. Ele proclamou que o Pai e o Filho detêm igualmente todos os atributos da divindade. E fala em ser inferior ao Pai, pois sua missão como filho era glorificar ao Pai, sendo enviado por Ele, para remissão dos pecados.


17
É vantagem...

... ser sábio ...

(Pv 4:7) A sabedoria é suprema; portanto adquire a sabedoria. Sim, com tudo o que possuis adquire o entendimento.

... ou não é?

(Ec 1:18) Porque na muita sabedoria há muito enfado; o que aumenta o conhecimento aumenta a tristeza.

(1Co 1:19) Pois está escrito: Destruirei a sabedoria dos sábios; aniquilarei a inteligência dos inteligentes.

R.: Existe vantagens em ser sábio, quando a sabedoria provêm de Deus, e também quando se fala em conhecimento, fala-se em ciência, pois até hoje muito da ciência não consegue explicações sobre Deus. Existem limitações humanas que nem sequer a sabedoria pode superar (Ec 1.12-16). A sabedoria tem valor, mas nem por isso pode alterar o fim da vida, que é o destino de todos. Mas Jesus foi a resposta dada para o fim da vida, Ele triunfou sobre a vida para que vivêssemos por toda a eternidade. Sim, é vantagem ser sábio, quando se segue a Jesus!


18
O morcego é uma ave?

(Lv 11:13-19) Dentre as aves, a estas abominareis, não se comerão, serão abomináveis: a águia, (...) a poupa e o morcego.

(Dt 14:13-18) Toda a ave limpa comereis. Porém estas são as que não comereis: a águia, (...) a poupa e o morcego.

Para a Ciência, apesar de voar, o morcego é um mamífero, porque mama quando pequeno.

R.: Se você leu acima, pela sabedoria divina não devemos preocupar-nos com definições técnicas quando a Bíblia classifica animais por razões religiosas e não científicas. Para nós essas restrições impostas por Deus podem parecer confusas, mas não há evidência de que os israelitas se sentissem assim, entendiam a mensagem de Deus.



19
Quantos pés têm os insetos?

(Lv 11:21-23) Mas de todo inseto que voa, que anda sobre quatro pés, podereis comer dos que tiver pernas compridas para com elas saltar sobre a terra. Deles comereis estes: a locusta de qualquer espécie, o gafanhoto devorador de qualquer espécie, o grilo de qualquer espécie, e o gafanhoto de qualquer espécie. Todos os outros insetos que voam, que têm quatro pés, serão para vós abominação.

Para a Ciência, os animais classificados como insetos têm seis patas e nenhum pé.

R.: Os insetos, por definição, têm seis patas. Mas é possível que os israelitas não considerassem as patas propulsoras como patas propriamente ditas. Não devemos preocupar-nos com definições técnicas quando a Bíblia classifica animais por razões religiosas e não científicas. Para nós essas restrições impostas por Deus podem parecer confusas, mas não há evidência de que os israelitas se sentissem assim, entendiam a mensagem de Deus.


20
As lesmas se derretem?

(Sl 58:8) Como a lesma que se derrete, assim sejam eles...

Seria essa uma referência a um tipo de lesma medieval, já extinta?

R.: Caro, Sr. Anônimo, os salmos são poesias, não ensaios doutrinários, os escritores dos salmos em geral se interessavam mais pelos sentimentos despertados pelos fatos do que por seu significado. Os salmos são como anotações de um diário – refletem as interações mais íntimas entre as pessoas e Deus. A linguagem poética nos conclama a ler com o coração, não apenas com a mente, ou melhor cientificamente!.


21
Cruzamento de animais de diferentes espécies?

(Gn 30:39) E concebiam os rebanhos diante das varas, e as ovelhas davam crias listradas, salpicadas e malhadas.

Esse tipo de aberração pode ter sido fruto de alguma experiência genética?

R.: Jacó estava trabalhando com base numa teoria genética de produções seletiva (o forte produz o forte, e o fraco produz o fraco). Acreditava também que aquilo que o animal visse na hora da fecundação afetava também a descendência. Essa última idéia foi amplamente utilizada até o século XX. Mas foi Deus quem fez que o plano funcionasse (Veja Gn 31:9)

22
A Terra é...

... esférica ...

(Is 40:22) Ele está assentado sobre o círculo da terra, cujos moradores são para ele como gafanhotos.

... ou plana?

(Mt 4:8) Levou-o novamente o diabo a um monte muito alto, e mostrou-lhe todos os reinos do mundo e o seu esplendor.

Para ver todos os reinos do mundo, mesmo no lugar mais alto do planeta, a Terra deveria ser plana.

R.: Em Isaías Deus falava sobre o horizonte e em Mateus, o diabo, como sempre astuto fala a Jesus como soberano de todos os reinos (povos) da terra, o poder de Satanás no mundo. A contradição é de sua parte! Sr. Anônimo não sabe ainda de que jeito é o planeta terra?


23
As serpentes comem pó?

(Gn 3:14) Disse, pois, o Senhor Deus à serpente: Visto que isso fizeste, maldita és entre todos os animais domésticos e o és entre todos os animais selváticos; rastejarás sobre o teu ventre e pó comerás todos os dias da tua vida.

A Ciência até hoje ainda não descobriu uma serpente que se alimentasse de pó. Não pode ser uma referência ao fato dela andar rastejando, porque a mesma já rastejava antes de ter sido amaldiçoada.

R.: Como se pode observar, é necessário corrigir e pôr o texto certo, na integra, pois o Sr. Anônimo se acha tão esperto porém não conhece Deus. Vamos então para a explicação, deve-se ler o capítulo inteiro, pois fala-se da queda do homem. A maldição de que a serpente rastejaria e comeria pó, era como dizer que sua ruína seria certa, que cairia por terra os inimigos de Deus, simplesmente uma metáfora, como tantas existentes na Bíblia.


24
Deus construiu a Terra...

... do nada...

(Gn 1:1) No princípio criou Deus os céus e a terra. A terra era sem forma e vazia...

... ou da maneira convencional?

(Jó 38:4-6) Onde estavas tu, quando eu lançava os fundamentos da terra? Diz-me, se tens inteligência. Quem lhe pôs as medidas, se é que o sabes? Ou quem estendeu sobre ela o cordel? Sobre o que estão fundadas as suas bases, ou quem assentou a sua pedra de esquina ...?

R.: Realmente esta criatura não entende nada das palavras de Deus, na vontade infeliz de blasfemar contra Deus, se achando muito inteligente, deveria ler mais vezes a Bíblia.
No livro de Jó, serve para o cristão lidar com a questão do sofrimento, pois neste capítulo Deus convence a Jó de ignorância, estava amargo de sua dor pela injustiça experimentada. Alegava que Deus estava zangado com ele e se tornara seu inimigo. O leitor conhecendo os acontecimentos do prólogo, sabe que essas pressuposições eram errôneas. O maior problema de Jó era o seu desconhecimento espiritual. Não conseguia compreender a complexidade de Deus, nem do mundo por ele criado.
Vejamos então, que outro Jó, o Sr. Anônimo, está questionando Deus!


25
O céu tem colunas para se apoiar?

(Jó 26:11) As colunas do céu tremem, e se espantam da sua ameaça.

R.: Neste capítulo Jó afirma a sabedoria de Deus, falando sobre a respeito da natureza, para ressaltar o enorme poder de Deus, da sua força esmagadora. A beleza intricada e a estrutura complexa da criação, desde as partículas subatômicas e os componentes moleculares básicos da vida até as galáxias e a vastidão do universo – demonstram o Criador. Esta criação oferece provas (para quem está disposto a aceita-las) de um poderoso “Alguém” por trás de tudo, Deus!

26
Moisés era...

... manso ...

(Nm 12:3) Ora, Moisés era homem muito manso, mais do que todos os homens que havia na terra.

... ou sanguinário?

(Nm 14-17) Está errado novamente, é Números 31:14-18 Indignou-se Moisés grandemente contra os oficiais do exército (...) Disse-lhes: Por que deixastes com vida todas as mulheres? (...) Agora matai todas as crianças do sexo masculino. E matai também a todas as mulheres que coabitaram com algum homem, deitando-se com ele.

Fico imaginando qual seria o critério adotado pelos matadores, para identificar as mulheres que já haviam coabitado com algum homem...

R.: O autor do livro de Números é o próprio Moisés, por que o próprio autor se jacta da sua mansidão? Moisés escreveu usando esse sentido da palavra, estaria referindo-se ao seu sentimento de perseguição e não ao caráter de humildade.
Além do Sr. Anônimo desconhecer a Bíblia, ainda tenho que corrigi-lo, como se vê acima. Temos que verificar capitulo 25, pois os midianitas e os moabitas haviam formado uma aliança contra Israel (veja Números 22.4,7). Na tentativa de deter Israel, essas duas tribos apresentaram uma solução criativa: fazer Israel abandonar seu Deus e conseqüentemente perder a proteção. Para tanto, as mulheres moabitas convidavam os homens israelitas para o seu festival de fertilidade, que, entre outras coisas, importava na adoração a Baal e no contato sexual com prostitutas do templo. Alguns homens concordaram. Foi quando Deus manifestou sua ira. Veja Capítulo 31, neste capítulo se explica bem, as virgens foram poupadas (as que não participaram da sedução) e os israelitas absorveram essas jovens mulheres na sua cultura, com a bondade prescrita em Deuteronônimo 21.10-14.

Sr. Anônimo que Deus perdoe a sua mente suja, a sua imaginação imoral, adorador de Baal.

27
O justo...

... florescerá ...

(Sl 92:12) O justo florescerá com a palmeira...

... ou perecerá?

(Is 57:1) Perece o justo, e não há quem considere isso em seu coração...

R.: Os justos, ou simplesmente os que são obedientes a Deus, não importa a qual custo, serão um dia recompensados pela sua fidelidade.

28
Onde aconteceu o sermão da montanha?

Sobre o monte...

(Mt 5:1) Vendo Jesus as multidões, subiu a um monte e assentou-se.

... ou ao pé dele?

(Lc 6:17) Descendo com eles, parou num lugar plano, onde se encontrava grande número de discípulos seus e grande multidão de toda a Judéia...

R.: Talvez Jesus tenha falado numa esplanada no meio da encosta da montanha (verifique o mapa que normalmente toda Bíblia tem) tornando-se corretas as descrições quanto de Lucas quanto de Mateus.


29
ü

Os anos de fome foram...

... sete ...

(2Sm 24:13) Assim veio Gade a Davi, e lhe disse: Queres que sete anos de fome te venham à tua terra? Ou que por três meses fujas diante de teus inimigos, e eles te persigam?

... ou três?

(1Co 20:11) Mais uma vez está errado, este versículo corresponde a 1 Cr 21:11 Gade veio a Davi, e lhe disse: Assim diz o Senhor: Faze a tua escolha: ou três anos de fome, ou que por três meses sejas consumido diante de teus adversários...

R.: O texto de 2Samuel 24:13 nos relata o primeiro contato do profeta Gade com Davi. No contexto dos versículos anteriores ao versículo 13, observamos que foi justamente depois das grandes vitórias e conquistas realizadas por Davi que Satanás, com a permissão de Deus, induziu-o a realizar o censo (em hebraico: “Nasso”). Foi o pecado de orgulho e desobediência que dominou Davi e o deixou cego para a Lei que proibia numerar o povo sem que fosse feita expiação por cada homem (Ex. 30:12). Então Gade entrega a mensagem de Deus a Davi da seguinte forma: “Queres que te venham sete anos de fome na tua terra; ou que por três meses fujas diante de teus inimigos, enquanto estes te perseguirem; ou que por três dias haja peste na tua terra? Delibera agora, e vê que resposta hei de dar àquele que me enviou.” No que Davi envolvido de profundo arrependimento responde: “Estou em grande angústia; porém caiamos nas mãos do Senhor, porque muitas são as suas misericórdias; mas nas mãos dos homens não caia eu.”
Porém em 1Crônicas 21: 11,12, o profeta Gade vem a Davi e lhe diz: “Assim diz o Senhor: Escolhe o que quiseres: ou três anos de fome; ou seres por três meses consumido diante de teus adversários, enquanto a espada de teus inimigos te alcance; ou que por três dias a espada do Senhor, isto é, a peste na terra, e o anjo do Senhor façam destruição por todos os termos de Israel. Vê, pois, agora que resposta hei de levar a quem me enviou.” Observe que o copista do livro de Crônicas nos traz um texto que apesar similar ao de 2Samuel 24:13 difere em contexto se fizermos uma análise exegética do mesmo em nossa própria língua. Em 2Samuel 24:13 diz: “Queres que te venham sete anos de fome na tua terra...?” e em 1 Crônicas 11, 12 temos: “Assim diz o Senhor: Escolhe o que quiseres: ou três anos de fome...” Compare e veja que em vez de uma simples pergunta como em 2Samuel 24:13, temos aqui em 1 Crônicas o verbo no imperativo. O que nós podemos concluir logicamente que em 2 Samuel está registrada a primeira conversa de Gade com Davi onde lhe é apresentada a proposta que continha os sete anos dentre as alternativas. Já o relato de 1 Crônicas dá-nos a segunda abordagem do profeta ao rei. É certo que o Senhor, respondendo à oração fervorosa de Davi, abrandou a severidade da horrenda alternativa de sete para três anos. Conclui-se a história quando o rei preferiu que o próprio Deus escolhesse a punição (fosse a fome ou a peste); e Deus enviou três dias de pestilência que consumiu as vidas de setenta mil pessoas de Israel. Aqui podemos observar que o SENHOR vela, em todas as circunstâncias, pelo cumprimento de Sua Palavra. Observe: “Quando fizeres o alistamento dos filhos de Israel para sua enumeração, cada um deles dará ao Senhor o resgate da sua alma, quando os alistares; para que não haja entre eles praga alguma por ocasião do alistamento (Ex. 30:12).”Aleluia! Louvado seja o SENHOR!!!!
PS.: Se considerarmos os vários textos extra-bíblicos e manuscritos e manuscritos da época encontraremos mais sustentação exegética para nossa análise. Isso sem contar as declarações de vários eruditos das Sagradas Escrituras.

30
Quem incitou Davi foi...

... Deus ...

(2Sm 24:1) A ira do Senhor tornou a acender-se contra Israel, e ele incitou a Davi contra eles, dizendo: Vai, levanta o censo de Israel e Judá.

... ou Satanás?

(1Cr 21:1) Então Satanás se levantou contra Israel, e incitou Davi a numerar a Israel.

R.: Este conflito entre as duas passagens significa que Deus muitas vezes permite que Satanás faça coisas que posteriormente são vistas como provenientes de Deus. Deus permitiu que Davi seguisse suas escolhas pecaminosas e colhesse as conseqüências de suas ações. “Incitar” em 2 Sm 24:1 nesse caso significa que Deus dirigiu os acontecimentos que levaram à sua decisão. No final, Deus usou os desejos pecaminosos do rei para executar juízo sobre a nação de Israel por causa do pecado.

31
A árvore genealógica de Jesus está em...

... Mt 1:2-17...

Abraão gerou a Isaque, Isaque gerou a Jacó, Jacó gerou a Judá e a seus irmãos. (...) Eliúde gerou a Eleazar, Eleazar gerou a Matã, Matã gerou a Jacó, Jacó gerou a José, marido de Maria, da qual nasceu Jesus, que se chama o Cristo.

... ou em Lc 4:23-38?

Era, como se cuidava, filho de José, filho de Heli, filho de Matã, filho de Levi, (...) Filho de Enos, filho de Sete, filho de Adão, filho de Deus.


R.: Logicamente, está em Mateus, porque em Lucas está a genealogia de Maria, como foi previamente respondido anteriormente!
Além das discrepâncias nas duas genealogias, note-se também que Jesus não teve pai verdadeiro. Seu pai era Deus. Por que então disseminar a idéia dele ser descendente de humanos? Em qual das duas versões acreditar?

Mateus 1.16 MARIA, DA QUAL NASCEU JESUS. O nascimento virginal de Jesus é salvaguardado na sua genealogia. Note que a palavra gerou é usada no caso de todos os nomes até chegar a José. Aí, a declaração bíblica muda. Não está escrito que José gerou a Jesus, mas, sim, que José é o marido de Maria, da qual nasceu JESUS (ver 1.23).

32
Deus pode ser visto...

... face a face ...

(Gn 32:30) Jacó chamou àquele lugar Peniel, pois disse: Vi a Deus face a face, e a minha vida foi poupada.

(Êx 33:11) Falava o Senhor a Moisés face a face, como qualquer fala com o seu amigo.

(Êx 24: 9-11) Subiram Moisés e Arão, Nadabe e Abiú, e setenta dos anciãos de Israel, e viram o Deus de Israel. Debaixo dos seus pés havia como que uma calçada de pedra de safira que se parecia com o céu na sua claridade. Mas Deus não estendeu a sua mão contra os escolhidos dos filhos de Israel; eles viram a Deus, e comeram e beberam.

(Am 9:1) Vi o Senhor em pé junto ao altar, e ele me disse: Fere os capitéis para que estremeçam os umbrais.

(Gn 26:2) Apareceu-lhe o Senhor, e disse: Não desças ao Egito; habita na terra que eu te disser.

(Jo 14:9-10) Quem me vê, vê o Pai (...) Não crês tu que eu estou no Pai, e que o Pai está em mim?

... apenas pelas costas ...

(Êx 33:23) Depois, quando eu tirar a mão, me verás pelas costas; mas a minha face não se verá.

... ou jamais pode ser visto?

(Jo 1:18) Ninguém nunca viu a Deus...

(Jo 6:46) Ninguém viu ao Pai, a não ser aquele que é de Deus; só este viu ao Pai.

(1Jo 4:12) Ninguém jamais viu a Deus...

(Êx 33:20) Não poderás ver a minha face, pois homem nenhum pode ver a minha face, e viver.

(1Tm 6:16) Aquele que tem, ele só, a imortalidade, e habita na luz inacessível; a quem nenhum dos homens viu nem pode ver; ao qual seja honra e poder sempiterno. Amém.

R.: A expressão face a face é uma metáfora que, junto com a expressão como qualquer fala a seu amigo, transmite a idéia de comunhão espiritual e de intimidade. Essa imagem não deve ser entendida em sentido literal, sobretudo porque Deus disse que ninguém, nem mesmo Moisés, podia ver sua face. Na verdade Moisés queria ver de Deus em sua plenitude. Isso é mais do que qualquer homem pode conhecer.



33
Deus é...

... misericordioso ...

(Tg 5:11) O Senhor é cheio de misericórdia e compaixão.

(1Cr 16:34) Rendei graças ao Senhor, pois ele é bom; o seu amor dura para sempre.

(1Jo 4:16) Deus é amor.

(Sl 145:9) O Senhor é bom para todos.

... ou cruel?

(Jr 13:14) Não perdoarei nem pouparei, nem terei compaixão deles, para que não os destrua.

(1Sm 15:3) Vai agora e fere a Amaleque, e destrói totalmente a tudo o que tiver. Nada lhe poupes; matarás a homens e mulheres, meninos e crianças de peito, bois e ovelhas, camelos e jumentos.

R.: Porque um Deus amoroso criaria o mal? Isaías 45:7. O mal neste versículo não é pecado nem iniqüidade; é o dano, o infortúnio, a desventura. A melhor resposta talvez se baseie no quadro de Deus como pai amoroso, que oferece cuidados mas exige obediência. O mal que nós como leitores é que tinham em mente era o cativeiro dos judeus, que claramente visava a ser uma lição para Israel, que os levaria a maior obediência.

Todos os sofrimentos deste mundo têm sua origem num único acontecimento trágico – a desobediência de Adão e de Eva (Gn 3.6-7). Por conseqüência, o pecado e seus resultados – o sofrimento e o mal – entraram no mundo. Mas as mãos de Deus não ficaram paralisadas por causa disso.
Deus, ao efetuar os seus desígnios, muitas vezes lança mão do sofrimento para nos disciplinar. Quando os israelitas pecavam deliberadamente, em atitude de desafio, Deus provocava grandes danos, impingindo-lhes catástrofes. O pecado da nação tinha de ser castigado; assim exigia a santidade de Deus. Quando se recusavam a se arrepender, restava somente o sofrimento como modo de leva-los ao arrependimento.
O sofrimento pode obrigar-nos a tirar a atenção do trivial, fixando-a nas coisas eternas, deixar a ganância do dinheiro e dos bens para um relacionamento com Deus. A dor pode ser uma ferramenta eficaz para ajustar a nossa mira nas coisas de Deus e para nos levar a viver de modo mais semelhante a Cristo.

Deus é nosso pai celestial. Qual pai que não quer bem ao seu filho? Por muitas vezes nosso pai biológico nos repreende, assim nosso Pai que está no céu o faz também, porque Ele antes de tudo nos ama, e deseja a nossa vitória, resta nós sermos obedientes para sermos abençoados.


34
De cada animal, entrou na arca de Noé...

... sete casais dos limpos e um casal dos não limpos ...

(Gn 7:2) De todos os animais limpos levarás contigo sete e sete, o macho e a fêmea; mas dos animais que não são limpos, dois, o macho e sua fêmea.

... ou apenas um casal de cada, independente de ser ou não limpo?

(Gn 2:8-9) Este capítulo está errado é Gn 7:8-9) Dos animais limpos, e dos animais que não são limpos, e das aves e de todo o réptil sobre a terra, entraram de dois em dois para Noé na arca, macho e fêmea, como Deus ordenara a Noé.

R.: Os animais que entraram na arca de dois em dois, os limpos ou imundos (se quiser saber mais leia Lv 11) era para que Noé e a família oferecer sacrifícios a Deus depois do dilúvio (Gn 8.20). Os animais limpos também podiam ser usados como alimento.


35
ü


Os estábulos eram em número de...

... quarenta mil ...

(1Rs 4:26) Tinha também Salomão quarenta mil cavalos em estábulos para os seus carros, e doze mil cavaleiros.

... ou quatro mil?

(2Cr 9:25) Teve também Salomão quatro mil manjedouras para os cavalos de seus carros, e doze mil cavaleiros, os quais mantinha nas cidades dos carros, e com o rei em Jerusalém.

R.: Aqui a resposta se resume na diferença gramatical entre as palavras estábulo e manjedoura. O que, para o Sr. ou sra. Anônimo considero um erro sofrível, pois, uma pessoa que procura demonstrar intelectualidade, tal falha cultural é inaceitável. Não adianta ler vários livros, sem conhecer as bases gramaticais de sua própria língua. E o mundo está cheio de “autodidatas” desta espécie; que sem domínio algum de homilética e hermenêutica, saem por aí transmitindo seus conceitos truncados sobre as coisas. E no que diz respeito à Palavra de Deus, encontra ainda uma ajudazinha do maior deturpador que já existiu: o diabo. Mas, vamos a resposta:
Dicionário do Aurélio:
estábulo . [Do lat. stabulu.] S. m. 1. Lugar coberto onde se recolhe o gado vacum; estala. [Cf. estabulo, do v. estabular.]
man.je.dou.ra sf (decalque do ital mangiatoia) Tabuleiro em que se deita comida aos animais estabulados.
Como pudemos observar, no texto de 1Rs 4:26 o autor esta se referindo ao número de cavalos que Salomão possuía e não faz menção do número de estábulos. A não ser que o nosso pobre ignorante amigo(a) esteja confundindo estábulo com baia. Se está aí vai mais uma dica:
baia . [Do quimb. baia, f. red. de ribaia, 'tábua'.] S. f. 1. Compartimento ou espaço ao qual se recolhe o animal, nas cavalariças e estábulos.
Porém, o texto registrado em 2Cr 9:25 está se referindo ao número de manjedouras(cochos) que Salomão possuía e não o número de estábulos. Sendo assim podemos deduzir que Salomão possuía quatro mil manjedouras com a capacidade de alimentar dez cavalos cada uma. Se for difícil para o Sr. ou sra. Anônimo entender como cheguei a esta conclusão, é simples: basta dividir 40.000 por 4000 que acharemos 10. E ainda que consideremos a possibilidade de serem quatro mil estábulos (em algumas traduções: estrebarias), ainda assim a refutação do Sr. ou sra Anônimo é tão infundada e tão desprovida de inteligência


36

Deus estava...

... satisfeito com sua criatura ... (criação)

(Gn 1:31) Viu Deus tudo o que tinha feito, e que era muito bom.

... ou arrependido de havê-la criado?

(Gn 6:6) Então arrependeu-se o Senhor de haver feito o homem sobre a terra...

R.: Quando se fala em criatura, significa aquilo que é oposição para Deus, em Gênesis fala-se da criação feita por Deus, pois quando ele criou o homem à sua imagem, não se refere a nada que seja físico e, sim, espiritual. A formação do homem está em Gênesis 2:4-17. E quando Deus fala que se arrependeu foi da criação do homem, que se corrompeu, vendo que a maldade do homem havia-se multiplicado na terra. Isto começou desde a queda do homem (Adão e Eva) Gênesis 3 e 4.



37
ü


Deus estava...

... satisfeito com sua criatura ... (criação)

(Gn 1:31) Viu Deus tudo o que tinha feito, e que era muito bom.

... ou arrependido de havê-la criado?

(Gn 6:6) Então arrependeu-se o Senhor de haver feito o homem sobre a terra...

R.: Quando se fala em criatura, significa aquilo que é oposição para Deus, em Gênesis fala-se da criação feita por Deus, pois quando ele criou o homem à sua imagem, não se refere a nada que seja físico e, sim, espiritual. A formação do homem está em Gênesis 2:4-17. E quando Deus fala que se arrependeu foi da criação do homem, que se corrompeu, vendo que a maldade do homem havia-se multiplicado na terra. Isto começou desde a queda do homem (Adão e Eva) Gênesis 3 e 4.

Deus estava...

... satisfeito com sua criatura ... (criação)

(Gn 1:31) Viu Deus tudo o que tinha feito, e que era muito bom.

... ou arrependido de havê-la criado?

(Gn 6:6) Então arrependeu-se o Senhor de haver feito o homem sobre a terra...

R.: Quando se fala em criatura, significa aquilo que é oposição para Deus, em Gênesis fala-se da criação feita por Deus, pois quando ele criou o homem à sua imagem, não se refere a nada que seja físico e, sim, espiritual. A formação do homem está em Gênesis 2:4-17. E quando Deus fala que se arrependeu foi da criação do homem, que se corrompeu, vendo que a maldade do homem havia-se multiplicado na terra. Isto começou desde a queda do homem (Adão e Eva) Gênesis 3 e 4.

38
Saul...

... suicidou-se ...

(1Sm 31:4) Assim Saul tomou a espada, e se lançou sobre ela.

... ou foi morto?

(2Sm 1:6-10) Então disse o moço que lhe dava a notícia: Cheguei por acaso ao monte Gilboa, e Saul estava encostado sobre a sua lança (...) Então ele me disse: Aproxima-te e mata-me, porque estou com muita vertigem, e toda a minha vida está ainda em mim. (...) Assim me aproximei dele e o matei, porque bem sabia que ele não viveria depois de ter caído.

R.: Saul suicidou-se! O amalequita mentiu (2 Sm 1.10 - “E o matei”) a respeito da maneira como Saul morreu (ver o relato verdadeiro em 1 Sm 31.3-6). Estava querendo receber honra e benefício da parte de Davi, mas, pelo contrário, sua história forjada resultou na sua morte (v. 15 - Então, chamou Davi a um dos jovens e disse: Chega e lança-te sobre ele. E ele o feriu, e morreu.)

39
Os abençoados no sermão da montanha estão em...

... Mt 5:3-11...

Os pobres de espírito, os que choram, os mansos, os que têm fome e sede de justiça, os misericordiosos, os puros de coração, os pacificadores, os que sofrem perseguição. Correção:
Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o Reino dos céus; bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados; bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra;
bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos; bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia; bem-aventurados os limpos de coração, porque eles verão a Deus; bem-aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus; -aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o Reino dos céus;
bem-aventurados sois vós quando vos injuriarem, e perseguirem, e, mentindo, disserem todo o mal contra vós, por minha causa. Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós.

... ou em Lc 6:20-26?

Os pobres, os que têm fome, os que choram, os que são odiados, os que foram expulsos, os injuriados, os rejeitados como indignos. Correção:
E, levantando ele os olhos para os seus discípulos, dizia: Bem-aventurados vós, os pobres, porque vosso é o Reino de Deus. Bem-aventurados vós, que agora tendes fome, porque sereis fartos. Bem-aventurados vós, que agora chorais, porque haveis de rir. Bem-aventurados sereis quando os homens vos aborrecerem, e quando vos separarem, e vos injuriarem, e rejeitarem o vosso nome como mau, por causa do Filho do Homem. Folgai nesse dia, exultai, porque é grande o vosso galardão no céu, pois assim faziam os seus pais aos profetas. Mas ai de vós, ricos! Porque já tendes a vossa consolação.
Ai de vós, os que estais fartos, porque tereis fome! Ai de vós, os que agora rides, porque vos lamentareis e chorareis! Ai de vós quando todos os homens falarem bem de vós, porque assim faziam seus pais aos falsos profetas!

R.: Com certeza Lucas registrou outro sermão que não o mesmo registrado por Mateus. Como diz o apóstolo João em 21:25 “Há, porém, ainda muitas outras coisas que Jesus fez; e, se cada uma das quais fosse escrita, cuido que nem ainda o mundo todo poderia conter os livros que se escrevessem. Amém!”
Tanto um como outro são bem-aventuranças!


40
Todos os homens...

... pecam ...

(1Rs 8:46 / 2Cr 6:36) Quando pecarem contra ti (pois não há homem que não peque), e tu te indignares contra eles, e os entregares [às mãos/diante] do inimigo, a fim de os levarem cativos à terra do inimigo, distante ou perto...

(Pv 20:9) Quem pode dizer: Purifiquei o meu coração, estou limpo do meu pecado?

(Ec 7:20) Não há homem justo sobre a terra que faça o bem e nunca peque.

(1Jo 1:8-10) Se dissermos que não temos pecado nenhum, enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós. Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda injustiça. Se dissermos que não pecamos, fezemo-lo mentiroso, e a sua palavra não está em nós.

... ou alguns não pecam?

(1Jo 3:9) Aquele que é nascido de Deus não vive na prática do pecado, porque a semente de Deus permanece nele; não pode continuar pecando, porque é nascido de Deus.


R.: Todos nós pecamos, seja em atos, palavras ou pensamentos, nossa origem é pecaminosa (queda do homem – Adão e Eva). Mas aquele que “nasceu de novo”, morreu para o mundo e Jesus habita nele (Espírito Santo), pela fé (5.4), pela presença de Cristo em nós, pelo poder das Santas Escrituras (ver 1 Ts 2.10), todo cristão pode viver a cada momento livre de delitos e pecados contra Deus.
João enfatiza que quem realmente nasceu de Deus, não pode continuar a viver pecando conscientemente, porque a vida de Deus não pode permanecer em quem vive na prática do pecado (cf. 1.5-7; 2.3-11,15-17,24-29; 3.6-24; 4.7,8,20). (1) O novo nascimento resulta em vida espiritual, a qual leva a um relacionamento sempre presente com Deus. Nesta epístola, cada vez que João fala do novo nascimento,
emprega o tempo pretérito perfeito em grego, para enfatizar o relacionamento contínuo e ininterrupto iniciado pelo novo nascimento (2.29; 3.9; 4.7; 5.1,4,18).



41
Quem comprou o campo do oleiro, chamado Campo de Sangue foi...

... Judas ...

(At 1:18)-19 correção Ora, este adquiriu um campo com a recompensa da iniqüidade (...) E todos os que habitam em Jerusalém ficaram sabendo do acontecido, de maneira que na sua própria língua esse campo se chamou Acéldama, isto é, Campo de Sangue.
Ora, este adquiriu um campo com o galardão da iniqüidade e, precipitando-se, rebentou pelo meio, e todas as suas entranhas se derramaram. E foi notório a todos os que habitam em Jerusalém, de maneira que na sua própria língua esse campo se chama Aceldama, isto é, Campo de Sangue.

... ou os príncipes dos sacerdotes?

(Mt 27:6)-8 correção E os príncipes dos sacerdotes, tomando as moedas de prata, disseram: Não é lícito colocá-las no cofre das ofertas, pois é preço de sangue. Depois de deliberarem, compraram com elas o campo do oleiro, para sepultura dos estrangeiros. Por isso aquele campo até o dia de hoje tem sido chamado Campo de Sangue.

R.: Lucas quis dizer em Atos dos Apóstolos que Judas comprou o seu campo, isto é a sua sepultura por causa de seu pecado, entregando Jesus por trinta moedas de prata.

42
O erro sobre a profecia do campo do oleiro...

... em Mt 27:9 ...

Então se cumpriu o que predissera o profeta Jeremias: Tomaram as trinta moedas de prata, preço em que foi avaliado aquele a quem certos filhos de Israel avaliaram. E as deram pelo campo do oleiro, conforme me ordenou o Senhor.

... quando, na verdade, estava em Zc 11:12-13.

Eu lhes disse: Se parece bem aos vossos olhos, dai-me o que me é devido: se não, deixai-o. Pesaram, pois, o meu salário, trinta moedas de prata. E o Senhor me disse: Arroja isso ao oleiro, esse belo preço em que fui avaliado por eles. Tomei as trinta moedas de prata, e as arrojei ao oleiro na casa do Senhor.

Em Jeremias não existe nenhuma referência ao campo do oleiro.


Mateus 27.9 O PROFETA JEREMIAS. Nesta citação, Mateus reúne e resume elementos do simbolismo profético, um de Jeremias (Jr 32.6-9) e outro de Zacarias (Zc 11.12,13). A seguir, Mateus menciona o profeta mais antigo e mais destacado como sendo o autor da profecia, costume esse comum na alusão de passagens dos profetas.


43
Devemos...

... levar as cargas dos outros ...

(Gl 6:2) Levai as cargas uns dos outros, e assim cumprireis a lei de Cristo.

... ou cada um levará sua própria carga?

(Gl 6:5) Então terá motivo de glória só em si mesmo, e não em outrem, pois cada qual levará o seu próprio fardo.


R.: Gl 6.2 LEVAI AS CARGAS UNS DOS OUTROS. Levar as cargas uns dos outros inclui ajudar os necessitados em tempos de enfermidade, tribulação e aperto financeiros. É possível que Paulo tivesse em mente o sustento de missionários e mestres (ver v. 6 nota; cf. Rm 15.1; 1 Co 9.14).
Carregar o fardo doutra pessoa é um trabalho de ordem divina (Sl 55.22; 1 Pe 5.7).


44
Devemos...

... responder ao tolo ...

(Pv 26:5) Responde ao tolo segundo a sua estultícia, para que também não te faças semelhante a ele.

... ou não?

(Pv 26:4) Não respondas ao tolo segundo a sua estultícia, para que também não te faças semelhante a ele.

R.: O fato de esses dois provérbios ficarem lado a lado ajuda a resolver o problema – o contraste foi deliberado! A lição é que temos de adaptar a nossa abordagem ao tipo de insensato com que lidamos. Alguns precisam de uma resposta (v.5), e outros, não (v.4).


45
É recomendável...

... casar ...

(Pv 18:22) O que acha uma esposa acha uma coisa boa, e recebe favor do Senhor.

... ou não casar?

(1Co 7:1) Ora, quanto às coisas que me escrevestes, bom seria que o homem não tocasse em mulher.

(1Co 7:8) Digo, porém, aos solteiros e às viúvas, que lhes é bom se permanecerem com eu. [solteiro]


R.: 1 Co 7.1 QUE O HOMEM NÃO TOCASSE EM MULHER. O cap. 7 todo é a resposta de Paulo às perguntas feitas pela igreja de Corinto a respeito da vida conjugal. Suas instruções devem ser lidas à luz do versículo 26: "Tenho, pois, por bom, por causa da instante necessidade". Um período de grande aflição e perseguição estava para vir sobre os cristãos de então, e nessa situação, a vida conjugal seria difícil.

1 Co 7.32 O SOLTEIRO. As Escrituras afirmam que o estado de solteiro não é, de modo algum, inferior ao de casado. Na realidade, é melhor, e isso no aspecto mais importante de todos: a possibilidade de prestar serviço a Deus sem outras preocupações. O solteiro (vv. 32,33), ou a solteira (v. 34) pode dedicar-se às coisas do Senhor mais do que o casado. "Ser santo, tanto no corpo como no espírito", não se
refere a modelo de ética, mas à possibilidade de uma maior dedicação a Deus, sem o peso das responsabilidades, preocupações e problemas da família. O solteiro pode dedicar-se, com todos os seus dons, ao Senhor, livre de outros cuidados; totalmente ocupado com as coisas do Senhor e com a sua Palavra.

A escolha como vê, é pessoal, Paulo optou por não casar pela instante necessidade. Porém é recomendável, quando acha-se uma boa esposa (ou esposo).

46

ü


Na conversão de Saulo, os que estavam com ele...

... ouviram vozes ...

(At 9:7) Os homens que iam com ele pararam espantados, ouvindo a voz, mas não vendo ninguém.

... ou não ouviram?

(At 22:9) Os que estavam comigo viram, em verdade, a luz, e se atemorizaram muito, mas não ouviram a voz daquele que falava comigo.

R.: Referente ao texto de At 9:7 e At 22:9 vamos encontrar, na maioria das traduções para a língua portuguesa, o seguinte registro: At 9:7 : “Os homens que iam com ele pararam espantados, ouvindo a voz, mas não vendo ninguém.” At 22:9 : “Os que estavam comigo viram, em verdade, a luz, e se atemorizaram muito, mas não ouviram a voz daquele que falava comigo.” Realmente parece haver uma contradição entre os dois textos, porém, mais uma vez vamos encontrar a resposta no texto original grego. Vejamos os mesmos textos no grego: ΠΡΑΞΕΙΣ ΤΩΝ ΑΠΟΣΤΟΛΩΝ 9:7 “οι δε ανδρες οι συνοδεύοντες αυτω ειστήκεισαν ενεοί, ακούοντες μεν της φωνης μηδένα δε θεωρουντες.”( PRAXEIS TÔN APOSTÓLON 9:7 “oi de andres oi sinodeúontes autu eistékeisan eneoí akoúontes men tês phones medéna de theôrountes”) ΠΡΑΞΕΙΣ ΤΩΝ ΑΠΟΣΤΟΛΩΝ 22:9 “οι δε συν εμοι οντες το μεν φως εθεάσαντο την δε φωνην ουκ ηκουσαν του λαλουντός μοι”( PRAXEIS TÔN APOSTÓLON 22: 9 “ oi de sun emoi ontes phôs etheásanto ten de phônen ouk êkousan tou laloutós moí”). No original grego, não existe qualquer indício de contradição entre estas duas passagens. Aqui se faz necessário que o estudioso da Palavra de Deus tenha intimidade com a gramática do grego Koinê*. Neste caso cabe-nos saber que o grego faz distinção entre ouvir um som, um simples barulho (caso em que o verbo “ouvir rege o genitivo) e ouvir uma voz que transmite uma mensagem clara (nesse caso o verbo rege o acusativo). Assim, quando analisamos os dois textos sob a ótica do Koinê, descobrimos que os companheiros de Paulo ouviram a voz como a de um som. Fato semelhante ao que está registrado em João 12:28 quando a multidão que ouviu o som da voz do Pai falando ao Filho, mas pensara que fora um trovão; contudo aquelas pessoas não entenderam a mensagem, como os companheiros de Paulo tampouco entenderam. Só o apóstolo entendeu a mensagem (At 9:4 diz que Paulo “ηκουσεν φωνην” [ ekousen phônen] – caso acusativo), ainda que tenha recebido de início como se fora um som espantoso( At 22:7 Então, caí por terra ouvindo uma voz[ηκουσα φωνης ( ekousa phones) ] que me dizia: Saulo, Saulo, porque me persegues?” Mas em nenhum relato se afirma que os companheiros do apóstolo entenderam o que a mensagem dizia [ caso acusativo] ). Sendo assim, se formos traduzir o texto de Atos 22: 9 do grego Koinê para nossa língua da forma mais literal possível teremos o seguinte texto: “E os que estavam comigo viram, em verdade, a luz, mas não entenderam a voz daquele que falava comigo.”

47
ü

Três dias depois do batismo Jesus foi para...

... o deserto por quarenta dias ...

(Mc 1:12) Imediatamente o Espírito o impeliu para o deserto, onde esteve quarenta dias, tentado por Satanás.

... ou permaneceu onde estava?

(Jo 1:35) No dia seguinte João estava outra vez ali, na companhia de dois dos seus discípulos. Quando ele viu Jesus passar, disse: Eis o Cordeiro de Deus.

R.: Neste caso se faz necessário não somente um conhecimento exegético profundo das Sagradas Escrituras, bem como um conhecimento da historicidade dos Evangelhos e da cronologia dos mesmos. Apesar da aparente contradição que há nos dois relatos é importante saber que os fatos registrados na Bíblia não estão dispostos em ordem cronológica e que isto não invalida a mesma quanto a sua veracidade. No tocante ao texto de João 1: 35 qualquer pessoa que tenha feito um estudo dos Evangelhos Sinóticos em paralelo com o Evangelho de João perceberá que ele estava contando um fato que ocorrera no passado e que há um lapso de tempo que é preenchido quando se faz uma leitura exegética com profundo conhecimento da gramática do grego koinê. Mas, se fizermos uma análise do texto em questão somente a luz da nossa tão bela e desprezada Língua Portuguesa será suficiente para eliminar as dificuldades. Vejamos então o texto:
(Jo 1:19) "E este é o testemunho de João, quando os judeus mandaram de Jerusalém sacerdotes e levitas para que lhe perguntassem: Quem és tu?"(Jo 1:20) "E confessou, e não negou; confessou: Eu não sou o Cristo."(Jo 1:21) "E perguntaram-lhe: Então quê? És tu Elias? E disse: Não sou. És tu profeta? E respondeu: Não."(Jo 1:22) "Disseram-lhe pois: Quem és? para que demos resposta àqueles que nos enviaram; que dizes de ti mesmo?"(Jo 1:23) "Disse: Eu sou a voz do que clama no deserto: Endireitai o caminho do Senhor, como disse o profeta Isaías."(Jo 1:24) "E os que tinham sido enviados eram dos fariseus."(Jo 1:25) "E perguntaram-lhe, e disseram-lhe: Por que batizas, pois, se tu não és o Cristo, nem Elias, nem o profeta?"(Jo 1:26) "João respondeu-lhes, dizendo: Eu batizo com água; mas no meio de vós está um a quem vós não conheceis."(Jo 1:27) "Este é aquele que vem após mim, que é antes de mim, do qual eu não sou digno de desatar a correia da alparca."(Jo 1:28) "Estas coisas aconteceram em Betânia, do outro lado do Jordão, onde João estava batizando."(Jo 1:29) "No dia seguinte João viu a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo."(Jo 1:30) "Este é aquele do qual eu disse: Após mim vem um homem que é antes de mim, porque foi primeiro do que eu."(Jo 1:31) "E eu não o conhecia; mas, para que ele fosse manifestado a Israel, vim eu, por isso, batizando com água."(Jo 1:32) "E João testificou, dizendo: Eu vi o Espírito descer do céu como pomba, e repousar sobre ele."(Jo 1:33) "E eu não o conhecia, mas o que me mandou a batizar com água, esse me disse: Sobre aquele que vires descer o Espírito, e sobre ele repousar, esse é o que batiza com o Espírito Santo."(Jo 1:34) "E eu vi, e tenho testificado que este é o Filho de Deus."(Jo 1:35) "No dia seguinte João estava outra vez ali, e dois dos seus discípulos;"(Jo 1:36) "E, vendo passar a Jesus, disse: Eis aqui o Cordeiro de Deus."
João, a pedido dos presbíteros da igreja da Ásia menor, escreve sua epístola onde sua preocupação não é outra senão de contestar as perigosas heresias a respeito da divindade, natureza e pessoa de Cristo, que estavam sendo difundidas por um certo judeu de nome Cerinto. Portanto, em virtude desta preocupação, João inicia sua epístola referindo-se a Jesus como “o Verbo” procurando demonstrar no contesto de Jo 1:1 ao 3 a Sua divindade e que Ele é “ A Palavra de DEUS personificada”. E é dentro desta linha de pensamento que João passa a relatar o testemunho de João Batista (Jo 1:19). Mas, vamos mais uma vez ao texto? Só que desta vez quero apresentá-lo de uma forma que facilitará a compreensão de qualquer pessoa:
João, o amado de Deus : E este é o testemunho de João, quando os judeus mandaram de Jerusalém sacerdotes e levitas para que lhe perguntassem:
Sacerdotes e levitas : Quem és tu?
João, o Batista : Eu não sou o Cristo.
Sacerdotes e levitas : Então quê? És tu Elias?
João, o Batista : Não.
Sacerdotes e levitas : Quem és? para que demos resposta àqueles que nos enviaram; que dizes de ti mesmo?
João, o Batista : Eu sou a voz do que clama no deserto: Endireitai o caminho do Senhor, como disse o profeta Isaías.
João, o amado de Deus : E os que tinham sido enviados eram dos fariseus.
Sacerdotes e levitas : Por que batizas, pois, se tu não és o Cristo, nem Elias, nem o profeta?
João, o Batista : Eu batizo com água; mas no meio de vós está um a quem vós não conheceis. Este é aquele que vem após mim, que é antes de mim, do qual eu não sou digno de desatar a correia da alparca.
João, o amado de Deus : Estas coisas aconteceram em Betânia, do outro lado do Jordão, onde João estava batizando.
João, o amado de Deus : No dia seguinte João viu a Jesus, que vinha para ele, e disse:
João, o Batista : Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo. Este é aquele do qual eu disse: Após mim vem um homem que é antes de mim, porque foi primeiro do que eu. E eu não o conhecia; mas, para que ele fosse manifestado a Israel, vim eu, por isso, batizando com água. Eu vi o Espírito descer do céu como pomba, e repousar sobre ele. E eu não o conhecia, mas o que me mandou a batizar com água, esse me disse: Sobre aquele que vires descer o Espírito, e sobre ele repousar, esse é o que batiza com o Espírito Santo. E eu vi, e tenho testificado que este é o Filho de Deus.
João, o amado de Deus : No dia seguinte João estava outra vez ali, e dois dos seus discípulos.E, vendo passar a Jesus, disse:
João, o Batista : Eis aqui o Cordeiro de Deus.
No texto de Jo 1:19 ao 36 vamos observar que todos os verbos utilizados por João, o amado de Deus, encontram-se conjugados no pretérito (O que para um bom entendedor da língua portuguesa já é suficiente). Entender que João, o amado de Deus, estava se referindo a um fato do passado não é difícil. Penso que dificuldade de interpretação (se é que há) encontra-se no contexto de João 1: 32 a 35: "E João testificou, dizendo: Eu vi o Espírito descer do céu como pomba, e repousar sobre ele. E eu não o conhecia, mas o que me mandou a batizar com água, esse me disse: Sobre aquele que vires descer o Espírito, e sobre ele repousar, esse é o que batiza com o Espírito Santo. E eu vi, e tenho testificado que este é o Filho de Deus." Observe que em Jo 1:28 encerra-se o diálogo entre João, o Batista e os Sacerdotes e levitas (Estas coisas aconteceram em Betânia, do outro lado do Jordão, onde João estava batizando.), e em Jo 1:29 inicia-se um outro episódio onde João, o Batista, tem um encontro com Jesus em um lugar que, dentro do contexto do referido capítulo, não fora claramente citado por João, o amado de Deus. Porém, se partirmos para o capítulo 3, versículo 26 vamos ter a confirmação de que esta cena ocorrera do outro lado do rio Jordão, ou seja, no mesmo local em que João estivera no dia anterior, Betânia (ou Bete-Arabá* segundo alguns eruditos). Por outro lado, temos que deixar bem claro que João e seus discípulos continuaram batizando mesmo depois do magnífico acontecimento registrado em Mt 3:13 ao 17. Fato este que pode ser claramente comprovado através de uma simples leitura do texto registrado no capítulo 3 versículos 23 ao 36 do Evangelho de João. Uma vez compreendido os detalhes acima, partamos agora para a parte da explicação, que irá dirimir toda dúvida que porventura ainda reste. Analisemos agora o diálogo de João, o Batista, que se encontra registrado em João 1: 32 a 35:
E João testificou, dizendo: Eu vi o Espírito descer ...
E eu não o conhecia, mas o que me mandou ...
E eu vi, e tenho testificado que este é o Filho de Deus.
Observe que ao ser dirigir a seus ouvintes João, o Batista, conjuga os verbos no pretérito perfeito do indicativo (lembrete gramatical: “o modo indicativo exprime um fato certo, positivo). O que, sem sombra de dúvida alguma, deixa claro até para uma criança que João, o Batista estava relatando a seus ouvintes um fato que ocorrera no passado. Ou seja, João estava à beira do Jordão batizando e dando continuidade a seu ministério que passara a ser o de continuar anunciando Reino dos Céus e testificar que Jesus Cristo é o Filho de Deus. E quando ele viu o Senhor mais uma vez por aquelas bandas, não perdeu a oportunidade de apresentar pessoalmente (principalmente para aquelas pessoas que não estavam ali quando ele O batizara.) o Cristo do qual estava testemunhando. Sendo assim, a ordem cronológica dos fatos fica desta forma:
Primeiro ano do Ministério de Jesus:
1 – De Nazaré ao Jordão- Mt 3:13, onde é batizado por João, o Batista Mt 3: 13-17.
2 – Do Jordão ao deserto da Judéia onde é tentado – Mt 4: 1-11.
3 – Do deserto a Bete-Arabá onde Jesus é visto por João, o Batista ( Jo 1:29 e no dia seguinte Jo 1:35) e escolhe cinco discípulos – Jo 1: 38- 51.


48
Quantos apóstolos no período entre a ressurreição e a ascensão?

Onze...

(Mt 28:16) Os onze discípulos partiram para a Galiléia, para o monte que Jesus lhes tinha designado.

... ou doze?

(1Co 15:5) E que foi visto por Cefas, e depois pelos Doze.

Como Judas havia morrido, deveriam ser onze. Matias, que o substituiu, só foi sorteado após a ressurreição, conforme consta em At 1:26.

R.: A resposta desta questão está em Atos 1:21-22, que diz pela sabedoria de Deus que fosse escolhido um dos homens para substituir Judas aquele que acompanhou a vida de Jesus. “É necessário, pois, que, dos varões que conviveram conosco todo o tempo em que o Senhor Jesus entrou e saiu dentre nós,
começando desde o batismo de João até ao dia em que dentre nós foi recebido em cima, um deles se faça conosco testemunha da sua ressurreição.” Sabendo pois, que Paulo já havia incluído o décimo segundo apóstolo.

49
Nossas obras devem...

... ser vistas ...

(Mt 5:16) Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus.

... ou devem ser feitas secretamente?

(Mt 6:3-4) Mas, quando tu deres esmola, não saiba a tua esquerda o que faz a tua direita, para que a tua esmola seja dada secretamente. Então teu Pai, que vê em secreto, te recompensará.

R.: Quando em Mateus 5:16, Jesus falava aos seus discípulos, que vós sois a luz do mundo, ele se referia que veriam Jesus operando na vida deles, que eles representariam Jesus aqui na terra, pois onde havia trevas, Jesus é luz. Disse também no versículo 13 que os discípulos são sal da terra, restauração. Jesus é luz e restauração de vida.
Que as boas ações sejam feitas e vistas, Jesus incentiva as boas obras para que os observadores glorifiquem a Deus, e não para que fiquem impressionados.
O que tem que ser visto é Jesus que faz os cristãos luz e sal desta terra.

50
As mulheres viram no sepulcro...

... um anjo ...

(Mt 28:2) Houve um grande terremoto, pois um anjo do Senhor desceu do céu, chegou, removeu a pedra e assentou-se sobe ela.

... um jovem ...

(Mc 16:5) Entrando no sepulcro, viram um jovem assentado à direita, vestido com um manto branco, e ficaram espantadas.

... dois homens ...

(Lc 24:4) ... mas quando entraram, não encontraram o corpo do Senhor Jesus. Estando elas perplexas a esse respeito, de repente pararam junto delas dois homens, com vestes resplandecentes.

... ou dois anjos?

(Jo 20:12) Enquanto chorava abaixou-se para olhar para dentro do sepulcro, e viu dois anjos vestidos de branco, assentados onde estivera o corpo de Jesus, um à cabeceira e outro nos pés.

R.: Como quaisquer quatro testemunhas oculares de um acontecimento, cada um dos evangelistas apresenta uma perspectiva diferente (este caso dos evangelhos já foi explicado em questões anteriores). Neste caso fica claro que são anjos do Senhor!

51
Quando será a outra vinda?

Já passou...

(Mt 24:34) Em verdade vos digo que não passará esta geração sem que todas estas coisas aconteçam.

... ou ainda está por vir?

Seria interessante saber qual a duração de uma geração para a Bíblia.

R.: Em Mateus 24:36 deixa bem claro que: “Daquele dia e hora, porém, [ninguém] sabe, nem os anjos do céu, nem o Filho, senão só o Pai.” Leia também em Eclesiastes 3:1:13. Deus tem sua infinita sabedoria ele é dono do tempo, pois há tempo para tudo.


52
ü

Os chefes de oficiais de Salomão eram...

... duzentos e cinqüenta ...

(2Cr 8:10) Eram também os chefes dos oficiais que o rei Salomão tinha, duzentos e cinqüenta, que presidiam sobre o povo.

... ou quinhentos?

(1Rs 9:23) Eram estes os chefes dos oficiais que estavam sobre a obra de Salomão, quinhentos e cinqüenta, que davam as ordens ao povo que trabalhava na obra.

R.: Os escribas estavam sujeitos a cometer dois erros de redação. Um deles dizia respeito aos nomes próprios (de modo especial os não muito conhecidos) e o outro se relacionava aos números. Realmente desejaríamos que o Espírito Santo restringisse todos os copistas da Escrituras ao longo dos séculos impedindo-os de cometer erros de qualquer natureza. No entanto, uma cópia isenta de falhas exigiria um milagre e Deus não quis que a divulgação de Sua palavra percorresse por este caminho.
Está além da capacidade de qualquer pessoa impedir todo e qualquer lapso da caneta ao copiar página por página de qualquer livro – sagrado ou secular. No entanto, podemos ter certeza de que o manuscrito original de cada livro da Bíblia, tendo sido inspirado por Deus, estava isento de todo o erro. Também é verdade que nenhuma variação nas cópias dos manuscritos originais que chegaram até nós altera alguma doutrina da Bíblia. Nesse ponto, pelo menos, o Espírito Santo exerce sua forte influência restritiva, ao supervisionar a tarefa de transmissão do texto. E no que tange aos números é interessante observar que representação dos mesmos feita pelos colonos judeus em Elefantina, na época de Esdras e Neemias consistia em ganchos horizontais que representavam as dezenas e as unidades eram representadas por barras verticais. Desse modo, se o manuscrito que estava sendo copiado estivesse um tanto apagado ou manchado certamente que em face da forma com que estes judeus primevos representavam sua forma numérica, o copista fatalmente erraria quanto a representação dos mesmos.


53
O sucessor de Josias foi...

... Salum ...

(Jr 22:11) Pois assim diz o Senhor acerca de Salum, filho de Josias, rei de Judá, que reinou em lugar de Josias, seu pai, que saiu deste lugar: Jamais tornará para ali.

... ou Jeoacaz?

(2Cr 36:1) E o povo da terra tomou a Jeoacaz, filho de Josias, e o fez rei de Jerusalém, em lugar de seu pai.


R.: em Jeremias 22.11,12 Salum, também foi chamado de Joacaz (ver 2 Rs 23.31; 2 Cr 36.1-4), foi o quarto filho de Josias (1 Cr 3.15). Foi rei por três meses, e a seguir, foi levado em cativeiro para o Egito, onde morreu.


54
A pedra que lacrava o sepulcro...

... foi removida por um anjo na hora que Maria Madalena chegou...

E, no fim do sábado, quando já despontava o primeiro dia da semana, Maria Madalena e a outra Maria foram ver o sepulcro. Mateus 28:1
(Mt 28:2) Houve um grande terremoto, pois um anjo do Senhor desceu do céu, chegou, removeu a pedra, e assentou-se sobre ela.

... ou já havia sido removida antes?

(Mc16:2-4) Muito cedo, no primeiro dia da semana, logo depois do nascer do Sol, foram ao sepulcro. Diziam umas às outras: Quem removerá a pedra da entrada do sepulcro? Mas, olhando, viram que a pedra, que era muito grande, já estava removida.

R.: A pedra foi removida por um anjo, no fim do sábado, quando já despontava o primeiro dia da semana, na madrugada



55
Como se tomou conhecimento da ressurreição de Cristo?

Jesus estava lá quando as mulheres chegaram e saiu ao encontro delas...

(Mt 28:9) De repente Jesus lhes saiu ao encontro, dizendo: Eu vos saúdo. E elas, chegando, abraçaram os seus pés, e o adoraram.

... ou elas entraram no sepulcro e foram avisadas da ressurreição ...

(Mc 16:5-6) Entrando no sepulcro, viram um jovem assentado à direita, vestido com um manto branco, e ficaram espantadas. Ele lhes disse: Não vos assusteis. Buscais a Jesus, o Nazareno, que foi crucificado. Já ressurgiu! Não está aqui. Vede o lugar onde o puseram.

(Lc 24:2-6) Acharam a pedra removida do sepulcro, mas quando entraram, não encontraram o corpo do Senhor Jesus. Estando elas perplexas a esse respeito, de repente pararam junto delas dois homens, com vestes resplandecentes . Elas ficaram tão atemorizadas, que se curvaram com o rosto em terra, mas os homens lhes disseram: Por que buscais entre os mortos quem está vivo? Ele não está aqui, mas ressurgiu.

... ou apenas Maria Madalena foi ao sepulcro e não entrou?

(Jo 20:1-7) Na madrugada do primeiro dia da semana, sendo ainda escuro, Maria Madalena foi ao sepulcro, e viu que a pedra fora revolvida da entrada. Correu ela e foi ter com Simão Pedro e com o outro discípulo (...) Chegou Simão Pedro, (...) entrou no sepulcro e viu no chão os lençóis.

R.: A resposta é igual a tantas acima: Como quaisquer quatro testemunhas de um acontecimento, cada um dos evangelistas apresenta uma perspectiva diferente: às mulheres no túmulo vazio, domingo de manhã bem cedo (Mt. 28:1-10, Mc 16:1-8, Lc 24:1-2, Jô 20:1-9) a Maria Madalena no túmulo, no início da manhã de domingo (Mc 16.9-11, Jô 20:11-18) a Pedro em Jerusalém, durante o domingo (Lc 24:34).

O mais importante é que túmulo vazio. Se os inimigos de Jesus tivessem furtado o seu corpo, eles o teriam mostrado, para confirmar que Ele não ressuscitara. Se os discípulos tivessem furtado o seu corpo, nunca teriam sacrificado suas vidas e posses em prol daquilo que saberiam ser mentira e engano. O
túmulo vazio revela que Jesus realmente ressuscitou e que Ele é verdadeiramente o Filho de Deus.

56
Foram colocados guardas na entrada do sepulcro?

(Mt 28:4) Os guardas tremeram de medo dele, e ficaram como mortos.

Em Marcos, Lucas e João não existe referência aos guardas. Afinal eles foram colocados na entrada do sepulcro para evitar que o corpo fosse roubado ou não?

R.: Com certeza que sim, cada evangelho foi narrado, conforme a vontade de Deus. A pedra que cobria a entrada do túmulo tinha com certeza uma corda enrolada ao redor. A corda era então selada com cera ou barro em cada um das extremidades, de modo que ninguém pudesse revolver a pedra sem romper o selo ou cortar a corda. O selo, possivelmente constasse o emblema oficial do Império Romano, de modo que qualquer pessoa que rompesse o selo estaria violando a lei imperial. Evidentemente, o destacamento de soldados em guarda junto ao túmulo dava mais força ao selo. Leia mais sobre os guardas em Mateus 28:11-15.



57
Jesus se dizia...

... um pacificador ...

(Jo 14:27) Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou.

(At 10:36) Conheceis a palavra que ele enviou aos filhos de Israel, anunciando a paz por Jesus Cristo (este é o Senhor de todos).

(Lc 2:14) Glória a Deus nas maiores alturas, paz na terra entre os homens, a quem ele quer bem.

... ou um anti-pacificador?

(Lc 22:36) ...e o que não tem espada, vende a sua capa e compre uma.

(Mt 10:34) Não penseis que vim trazer paz à terra. Não vim trazer paz, mas espada.


R.: A paz trazida por Jesus resulta de as pessoas se reconciliarem com Deus. É uma paz interior que elimina todas as barreiras entre a alma e o Criador. Todavia, nem todas as pessoas experimentam essa paz de Cristo.

MATEUS 10.34 NÃO VIM TRAZER PAZ. Embora Jesus Cristo seja chamado o Príncipe da Paz (Is 9.6; cf. Mt 5.9; Rm 5.1), e embora a verdade deva ser proclamada com amor (Ef 4.15), há um sentido em que a sua vinda e a proclamação do evangelho provocam divisões. (1) A fé em Cristo faz separação entre o crente, o pecador e o mundo (vv. 32-37; Lc 12.51-53; ). (2) A proclamação da Palavra de Deus e a sua verdade motivarão oposição, divisão e perseguição (12.24; 14.4-12; 27.1; At 5.17; 7.54-60; 14.22). (3) Viver segundo os retos padrões de Cristo resultará em zombaria e desprezo (5.10,11). (4) A defesa da fé
apostólica do NT provocará divisões (Fp 1.15-17; 2 Co 11.12; ver 2 Tm 1.15 nota). (5) Os ensinamentos de Cristo a respeito da paz e da união devem ser mantidos em harmonia com essa verdade, de que Ele não veio trazer paz, mas espada (v. 34; ver Jo 17.21)



58
Cristo pregava...

... o amor ao inimigo ...

(Mt 5:44) Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem.

... e a desunião entre as famílias?

(Mt 10:34) Versículo errado é 35: Pois eu vim trazer divisão entre o homem e seu pai, entre a filha e sua mãe, entre a nora e sua sogra.

R.: Logicamente pregava paz aos inimigos, a verdade é nem todos aceitarão o evangelho de Cristo. Corações cheios de preconceitos resistirão à oferta de paz feita por Cristo. Porque muitos rejeitarão (inclusive você Sr. Anônimo), a mensagem dividirá pessoas, famílias e nações.


59
Jesus era...

... contraditório ...

(Jo 8:14) Respondeu Jesus: Ainda que eu testifique de mim mesmo, o meu testemunho é válido, pois sei de onde vim e para onde vou.

... ou não?

(Jo 5:31) Se eu testifico a respeito de mim mesmo, o meu testemunho não é verdadeiro.


R.: Sr. Anônimo, vamos para aula:
Para entender o Jo 5:31 volta-se em Dt. 19.15, pois os princípios da lei do Antigo Testamento exigiam que houvesse duas testemunhas para confirmar um fato. Jesus apresentou o testemunho de João Batista e os milagres realizados por meio do Pai como defesa da sua reivindicação de ser o Messias, Jesus explica a sua missão, versículo 19 a 45.
Quando disse também “que eu testifique de mim mesmo”, não estava agindo como a sua própria testemunha, antes estava traçando uma distinção entre si mesmo e os fariseus. Os fariseus não tinham o conhecimento que Ele detinha, mesmo sobre quem era e para onde estava indo.


60
Jesus era...

... o filho de Deus ...

(Jo 5:25) Em verdade, em verdade vos digo que vem a hora, e já chegou, em que os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus, e os que a ouvirem viverão.

... ou o filho do homem?

(Jo 5:27) E lhe deu autoridade para julgar, porque é o Filho do homem.

R.: Com certeza Jesus é filho de Deus, a expressão “filho do homem” é usada no Antigo Testamento, que Jesus se autodenomina no Novo Testamento. É usado mais de 90 vezes, Ezequiel é chamado filho do homem para ressaltar a sua humanidade diante do Deus Onipotente (Ez 2.1). E Jesus utilizou o termo para demonstrar que era o Messias prometido por Daniel (Dn 7.13).


61
Podemos chamar...

... nomes ...

(Lc 11:40) Loucos! O que fez o exterior não fez também o interior?

... ou não?

(Mt 5:22) Mas quem disser: Tolo! Estará sujeito ao fogo do inferno.
Neste versículo, vamos corrigir o Sr. Anônimo, colocando-o em completo:
“Eu, porém, vos digo que todo aquele que (sem motivo) se irar contra seu irmão, estará sujeito a julgamento; e quem disser a seu irmão um insulto estará sujeito a julgamento do tribunal; e quem lhe chamar: Tolo, estará sujeito ao inferno de fogo.”

R.: O versículo acima Mt. 5:22, refere-se ao homicídio, lei dos antigos: não matarás, pois quem matar estará sujeito ao julgamento e em Lucas 11:40 Jesus censura os fariseus, e para eles reservou algumas das críticas mais severas, veja Mt 23

Como vê, este questionamento não tem a menor lógica, têm que ler todo o contexto, Sr. Anônimo!


62
Cristo pregou...

... a reconciliação com nossos adversários ...

(Mt 5:25) e 26 (vamos corrigir o Sr. Anônimo) Reconcilia-te depressa com o teu adversário, enquanto está com ele a caminho, para que o adversário não te entregue ao juiz, o juiz ao oficial de justiça, e te recolham à prisão. Em verdade vos digo que de maneira nenhuma sairás dali enquanto não pagares o último centavo.

... ou sugeriu darmos fim a ele?

(Lc 12:58) Quando fores com o teu adversário ao magistrado, procura livrar-te dele no caminho, para que não suceda que te conduza ao juiz, e o juiz te entregue ao meirinho e o meirinho te encerre na prisão. Digo-te que não sairás dali enquanto não pagares o último centavo.

R.: Sr. Anônimo, não sei de onde tirou a idéia que livrar-te significa dar fim!
Livrar-te, significa libertar-se, fazer às pazes!


63
Somos todos...

... pecadores ...

(Rm 3:23) Não há distinção, pois todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus...

(Rm 3:10) Como está escrito: não há um justo, nem um sequer...

(Sl 14:3) ...não há quem faça o bem, não há sequer um.

... ou alguns não são?

(Jó 1:1) Havia um homem na terra de Uz, cujo nome era Jó. Este homem era íntegro e reto...

(Gn 7:1) Depois disse o Senhor a Noé: Entra na arca, tu e toda a tua casa, porque és justo diante de mim nesta geração.

(Lc 1:6) Eram ambos justos perante Deus, andando sem repreensão em todos os mandamentos e preceitos do Senhor.


R.: Ser justo é seguir a lei de Deus e viver de maneira perfeita, assim era Noé, Jó, sendo justos na presença de Deus, foram então justificados por Deus, para que se cumprisse as profecias da vinda do messias. Na verdade somos todos pecadores, todos escravos do pecado, incapazes de obedecer à lei de Deus! Deus fez tudo o que precisava para nos justificar. Tudo o que nos resta é aceitar a sua graça demonstrada na cruz. Somos justificados quando deixamos de tentar justificar a nós mesmos e dependemos inteiramente da obra consumada de Jesus Cristo.


64
A piedade...

... é proveitosa ...

(1Tm 4:8) Pois o exercício físico para pouco aproveita, mas a piedade para tudo é proveitosa...

... ou uma fonte de lucros?

(1Tm 6:6) De fato, é grande fonte de lucro a piedade com o contentamento.

R.: O 1 Timóteo capítulo 6:3-10 fala-se dos falsos mestres e os perigos da riqueza, dizendo que a piedade é proveitosa, mas não no sentido financeiro. Antes, a piedade produz paz de espírito – contentamento. O contentamento é ao mesmo tempo sinal da verdadeira piedade e recompensa da verdadeira piedade.


65
O voto que vale mais é o do...

... homem ...

(Nm 30:2) Quando um homem fizer um voto ao Senhor, ou um juramento, impondo restrições a si próprio, não violará a sua palavra; segundo tudo aquilo que sair da sua boca, fará.

... ou o da mulher?

(Nm 30:10-13) Se uma mulher, vivendo na casa de seu marido, fez um voto, ou mediante juramento se obrigou a alguma coisa (...) Seu marido pode confirmar ou anular todo voto e todo juramento que ela tiver feito...
Vamos colocar os versículos em completo: “Se ela, porém, fez voto na casa de seu marido, ou se obrigou com juramento, e seu marido o soube e se calou para com ela, não lho vedando, todos os seus votos serão válidos; e toda a obrigação com que se ligou será válida.
Se, porém, seu marido de todo lhos anulou no dia em que os soube, deixará de ser válido tudo quanto saiu dos lábios dela, quer no tocante aos seus votos, quer no tocante àquilo a que se obrigou; seu marido lhos anulou; e o senhor lhe perdoará.
Todo voto, e todo juramento de obrigação, que ela tiver feito para afligir a alma, seu marido pode confirmá-lo, ou pode anulá-lo.”

R.: Primeiramente vamos voltar aquela época, em que os israelitas preparavam-se para entrar na tão aguardada Cannã, eles queriam demonstrar a devoção que tinham para com Deus. Fizeram isso com votos e juramentos. O voto era a promessa de fazer algo a Deus e o juramento era a promessa de abster-se de algo.
Algumas mulheres precisavam da autorização dos homens para fazer um voto, essas regras foram dadas para esclarecer qualquer confusão em casa quando pais e maridos saíssem para guerra. Com os homens ausentes, as mulheres teriam de tomar decisões que influiriam na família. Essas leis preservavam o direito dos maridos e dos pais de ter a palavra final posteriormente. As diretrizes libertavam a mulher de possível conflito entre as obrigações para com pai ou marido e as obrigações para com Deus.

Jesus nos alerta para não garantirmos as promessas a Deus por meio de juramento (mt.5:33-37). No Novo Testamento estimula os cristãos a sacrificar o corpo a Deus todos os dias (Rm 12.1; 1 Co 6.20). A demonstração do nosso amor para com Deus não deve ser um hábito esporádico, mas um estilo de vida.

66
Jurar...

... é permitido ...

(Gn 21:24) Respondeu Abraão: Eu jurarei.

(Gn 22:16) Por mim mesmo jurei, diz o Senhor...

(Gn 31:53) E jurou Jacó pelo temor de seu pai Isaque.

(Dt 10:20) Ao Senhor teu Deus temerás, a ele servirás, e a ele te chegarás, e pelo seu nome jurarás.

(Hb 6:13) Quando Deus fez a promessa a Abraão, como não tinha outro maior por quem jurar, jurou por si mesmo...

(Hb 6:16) Os homens juram por quem lhes é superior, e o juramento para confirmação é, para eles, o fim de toda contenda.

... ou proibido?

(Mt 5:34-35) Eu, porém vos digo: De maneira nenhuma jureis; nem pelo céu, por ser o trono de Deus, nem pela terra, por ser o estrado de seus pés, nem por Jerusalém, porque é a cidade do grande Rei;

(Tg 5:12) Mas, sobretudo, meus irmãos, não jureis, nem pelo céu, nem pela terra, nem por qualquer outro voto...

R.: Jesus em Mateus 5:33-37 referente dos juramentos: fala sobre o mau uso do juramento, comum na cultura judaica (os mesmo que alguém dissesse hoje: “Juro por Deus”). Não estava proibindo os votos solenes. Jesus quis ressaltar que falar a verdade é essencial, não importa quão difícil seja.


67
Jesus foi crucificado...

... à hora terceira ...

(Mc 15:25) Era a hora terceira quando o crucificaram.

... ou após a hora sexta?

(Jo 19:14-15) Era o dia da preparação da páscoa, e quase à hora sexta. Disse Pilatos aos judeus: Eis o vosso Rei. Mas eles gritaram: Fora! Fora! Crucifica-o! Perguntou-lhes Pilatos: Hei de crucificar o vosso Rei? Responderam os principais sacerdotes: Não temos rei, senão César. Finalmente Pilatos o entregou para ser crucificado.

R.: Jo 19.14 À HORA SEXTA. João diz que o julgamento estava chegando ao fim "quase à hora sexta". Marcos todavia diz que Jesus foi crucificado na "hora terceira" (Mc 15.25). Esta aparente contradição vem do fato de João empregar o método romano de contar as horas, ao passo que Marcos empregou o método judaico. O dia romano começava à meia-noite; o judaico, ao levantar do sol.

68
Devemos...

... obedecer à lei dos homens ...

(1Pe 2:13) Sujeitai-vos a toda autoridade humana, por causa do Senhor, quer ao rei, com soberano, quer aos governadores, como por ele enviados para castigo dos malfeitores, e para louvor dos que fazem o bem.

(Tt 3:1) Lembra-lhes que se sujeitem aos governadores e autoridades, sejam obedientes, estejam preparados para toda boa obra...

... ou apenas à lei de Deus?

(At 5:29) Respondeu Pedro e os apóstolos: Mais importante obedecer a Deus do que aos homens!


R.: Sujeitar-se a governantes e autoridades não significa prestar as autoridades ou governantes obediência cega, Paulo ensina em Romanos 13:1-2 que a autoridade do governo é estabelecida por Deus para manter a ordem no mundo. Quer no lar, na sociedade, os cristão devem reconhecer as autoridades, mesmo que nem sempre concordem com elas. A autoridade de Deus está por trás de todo governo, certo ou errado, mas também está “acima” de toda autoridade humana, não permitindo que o mal fique desenfreado para sempre.
Se o governo se harmoniza com a lei de Deus, então os cristão estão certos em lhe obedecer. No entanto, se uma lei humana contraria os princípios de Deus, não é errado desobedecer. Porém, mesmo que resistam naquelas áreas em que o governo ultrapassa os seus limites (Atos 5:29), os cristão ainda assim devem reconhecer a autoridade do governo em suas outras funções. Desse modo, podem obedecer a Deus de consciência limpa.

69
Homem e mulher foram criados...

... ao mesmo tempo ...

(Gn 1:27) Assim Deus criou o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou; macho e fêmea os criou.

... ou o homem foi criado primeiro?

(Gn 2:7-22) Formou o Senhor Deus o homem do pó da terra, e soprou-lhes nas narinas o fôlego da vida, e o homem tornou-se alma vivente. (...) Disse o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só. Far-lhe-ei uma adjutora que lhe corresponda. (...) Então da costela que o Senhor Deus tomou do homem, formou a mulher, e a trouxe ao homem.


R.: A imagem de Deus não se refere a nada que seja físico e, sim, espiritual. A formação do homem está em Gênesis 2:7, o homem foi criado primeiro, do pó da terra – somente o poder de Deus – seu fôlego de vida – é a fonte de todos os seres vivos. A criação da mulher está em Gênesis 2:22-23.

70
As planta vieram...

... antes ...

(Gn 1:11-13) E disse Deus: Produza a terra relva, ervas que dêem semente, e árvores frutíferas que dêem fruto segundo a sua espécie, cuja semente esteja nele, sobre a terra. E assim foi. A terra produziu relva, ervas que davam semente conforme a sua espécie, e árvores que davam fruto, cuja semente estava nele, conforme a sua espécie. E viu Deus que isso era bom. E houve tarde e manhã - o terceiro dia.

Até esse momento o homem ainda não havia sido criado. Deus o criou, conforme está em Gênesis, no sexto dia.

... ou depois do homem?

(Gn 2:4-9) No dia em que o Senhor Deus fez a terra e os céus, não havia ainda nenhuma planta do campo na terra; nenhuma erva do campo tinha brotado (...) Formou o Senhor Deus o homem do pó da terra (...) E o Senhor fez brotar da terra toda espécie de árvores agradáveis à vista e boas para comida, bem como a árvore da vida no meio do jardim, e a árvore do conhecimento do bem e do mal.


R.: Antes, pois depois da abordada a criação do universo capítulo 1, o tema restringe-se e concentra-se nos seres humanos inseridos num ponto específico dentro desse universo. Observamos no capítulo 1:30, toda erva verde lhes será para mantimento, e também 2:5 planta e erva do campo, que a neblina regava toda a superfície do solo.
71
Deus vive...

... na luz ...

(1Tm 6:15-16) ...Rei dos Reis e Senhor dos senhores; aquele que tem, ele só, a imortalidade, e habita a luz inacessível; a quem nenhum dos homens viu ou pode ver...

(Dn 2:22) Ele revela o profundo e o escondido; conhece o que está em trevas, e com ele mora a luz.

... ou nas trevas?

(1Rs 8:12) Então disse Salomão: O Senhor declarou que habitaria numa nuvem escura.

(Sl 18:11) Fez das trevas o seu lugar oculto; o pavilhão que o cercava era a escuridão das águas e as nuvens do céu.

R.: “Deus está em seu santo templo; nos céus tem o Senhor seu trono.” Salmo 11:4. Porém Ele é onipresente — Ele está presente em todos os lugares a um só tempo. O salmista afirma que,
não importa para onde formos, Deus está ali (Sl 139.7-12; cf. Jr 23.23,24; At 17.27,28); Deus observa tudo quanto fazemos. Deus é onisciente — Ele sabe todas as coisas (Sl 139.1-6; 147.5). Ele conhece, não somente nosso procedimento, mas também nossos próprios pensamentos (1Sm 16.7; 1 Rs 8.39; Sl 44.21; Jr 17.9,10). Quando a Bíblia fala da presciência de Deus (Is 42.9; At 2.23; 1Pe 1.2), significa que Ele conhece com precisão a condição de todas as coisas e de todos os acontecimentos exeqüíveis, reais, possíveis, futuros, passados ou predestinados (1Sm 23.10-13; Jr 38.17-20). A presciência de Deus não subentende determinismo filosófico. Deus é plenamente soberano para tomar decisões e alterar seus propósitos no tempo e na história, segundo sua própria vontade e sabedoria. Noutras palavras, Deus não é limitado à sua própria presciência (ver Nm 14.11-20; 2Rs 20.1-7). Deus é onipotente — Ele é o Todo-poderoso e detém a autoridade total sobre todas as coisas e sobre todas as criaturas (Sl 147.13-18; Jr 32.17; Mt 19.26; Lc 1.37). Isso não quer dizer, jamais, que Deus empregue todo o seu poder e autoridade em todos os momentos. Por exemplo, Deus tem poder para exterminar totalmente o pecado, mas optou por não fazer assim até o final da história humana (ver 1Jo 5.19 ). Em muitos casos, Deus limita o seu poder, quando o emprega através do seu povo (2Co 12.7-10); em casos assim, o seu poder depende do nosso grau de entrega e de submissão a Ele (ver Ef 3.20).

72
Deus aceita sacrifício humano?
A Bíblia faz uma série de referências a sacrifícios humanos. Era comum Deus requerer primogênitos para Ele. O holocausto era sua maneira predileta de sacrifício, pois o cheiro de queimado lhe agradava particularmente, dando a Ele profundo deleite.

(Jz 11:30-39) E Jefté fez um voto ao Senhor: Se totalmente entregares os filhos de Amom nas minhas mãos, qualquer que, saindo da porta da minha casa, me vier ao encontro, voltando eu vitorioso dos filhos de Amom, esse será do Senhor, e o oferecerei em holocausto. (...) Assim Jefté foi de encontro aos filhos de Amom a combater contra ele, e o Senhor os entregou nas suas mãos. (...) Vindo Jefté a Mispa, à sua casa, a sua filha lhe saiu ao encontro com adufes e com danças. Era ela filha única. Não tinha ele outro filho nem filha. (...) E deixou-a ir por dois meses. (...) Ao fim de dois meses, ela voltou a seu pai, o qual cumpriu nela o voto que tinha feito.

(2Sm 21:6-9) ... de seus filhos nos dêem sete homens, para que os enforquemos ao Senhor em Gibeá De Saul, o eleito do Senhor. (...) ... e os entregou na mão dos gibeonitas, os quais os enforcaram no monte, perante o Senhor.

(Lc 19:27) Quanto àqueles meus inimigos que não quiseram que eu reinasse sobre eles, trazei-os aqui e matai-os diante de mim.


R.: Deus não aceita ou exige sacrifício humano para apaziguar sua ira. Mas Saul (2 Samuel: 6,9,14) havia quebrado juramento sagrado (v. Js 9). Seus crimes contra os gibeonitas não são mencionados em nenhuma outra parte das Escrituras; nossa única informação encontra-se no versículo 2. Assim, agora Deus usa uma fome para chamar a atenção para essa injustiça – mas não sem antes permitir a Israel tempo suficiente para corrigir o erro.
Os gibeonitas achavam que a restituição era necessária. Em certo sentido, a morte dois dois filhos e cinco netos de Saul pode ser considerada condenação divina para a crueldade de Saul, seguindo os princípios do vingador do sangue. Veja em Nm 35.19. e o que fazia o vingador de sangue em Js 20.3. Nesse caso, entretanto, a justiça foi executada por Davi a favor de Gibeom, mais ou menos como hoje em dia os juízes são agentes de Deus no cumprimento da lei e da ordem (v. Rm 13.4).
Infelizmente, os filhos muitas vezes sofrem pelos atos dos pais, em muitos países, as crianças são vítimas da guerra e do terrorismo da geração anterior. E alguns dizem que o responsável por tantos sofrimentos é Deus. Deus, nunca quis que ninguém sofresse, muito menos as crianças. A morte é resultado do pecado (Rm 6.23).

73
A fé...

... está acima de tudo ...

(Gl 5:6) Pois em Cristo Jesus nem a circuncisão nem a incircuncisão tem valor algum. O que importa é a fé que opera pelo amor.

... ou é menos importante do que cuidar da família?

(1Tm 5:8) Mas, se alguém não cuida dos seus, e principalmente dos da sua família, negou a fé, e é pior que o incrédulo.

R.: Como se vê, o Sr. Anônimo, não entende nada de nada, leia novamente a Bíblia, vamos ter misericórdia deste fariseu!
Novamente tem que ser ler o contexto, vamos as explicações
Gálatas 5:6 - A prática da circuncisão em si não incomodava Paulo. No entanto, ele ficava profundamente aborrecido quando as pessoas insistiam em dizer que era necessário praticá-lo para ficarem bem com Deus. Se a circuncisão, como prática cultural, dava maior oportunidade para ensinar o evangelho entre os judeus, ele não fazia objeção. Mas, se era praticada para obter a salvação, Paulo se opunha terminantemente.
A Bíblia afirma que a pessoa é salva pela fé (2.15,16; Rm 3.22; Ef 2.8,9). (1) Neste trecho, Paulo define a natureza exata dessa fé. A fé salvífica é uma fé viva num Salvador vivo; fé esta tão vital que não pode deixar de expressar-se em atos motivados pelo amor. (2) A fé que deixa de amar e obedecer a Cristo verdadeiramente (cf. 1 Jo 2.3; 5.3), de demonstrar interesse
genuíno pela obra do reino de Deus (cf. Mt 12.28) e de claramente resistir ao pecado e ao mundo (vv. 16,17) não é fé salvífica (cf. Tg 2.14-16).

Acerca dos velhos e viúvas (do 1 ao 16 – vers. Fala-se sobre os velhos e viúvas)
1Tm 5.9 NUNCA SEJA INSCRITA VIÚVA COM MENOS DE SESSENTA ANOS. Segundo parece, a igreja em Éfeso tinha uma lista oficial de viúvas com direito a sustento material por parte da igreja (ver Dt 24.17). A igreja prestava essa assistência porque, nos tempos do NT, não havia assistência social do governo, nem aposentadoria para viúvas que não tinham família, nem filhos para ajudá-las. Exigia-se
para isso que as viúvas demonstrassem possuir certas qualificações espirituais (vv. 9,10), inclusive a perseverança nas boas obras (v. 10) e na oração (v. 5).

A fé tem que estar acima de tudo para poder cuidar bem da família, em todos os sentidos, física, mental e psicologica, pois a fé em Cristo é que nos orienta, pelo poder do Espírito Santo.



74
Dependendo do momento, Deus...

... é só amor e perdão ...

(Sl 86:5) Tu, ó Senhor, és bom e pronto a perdoar, e abundante em amor para com todos os que te invocam.

(Sl 86:15) Mas tu, ó Senhor, és Deus compassivo e gracioso, lento para irar-se, e abundante em amor e fidelidade.

... ou pune com morte horrível até mesmo crianças e mulheres grávidas?

(Os 13:16) Cairão à espada, seus filhos serão despedaçados, e as suas mulheres grávidas serão abertas pelo meio.

R.: A falta de sabedoria do Sr. Anônimo é mui grande! Faz a mesma pergunta várias vezes, observe as questões anteriores, logicamente este Deus é amoroso, misericordioso, bondoso e espero que tenha pena
de ti :
Todos os sofrimentos deste mundo têm sua origem num único acontecimento trágico – a desobediência de Adão e de Eva (Gn 3.6-7). Por conseqüência, o pecado e seus resultados – o sofrimento e o mal – entraram no mundo. Mas as mãos de Deus não ficaram paralisadas por causa disso.
Deus, ao efetuar os seus desígnios, muitas vezes lança mão do sofrimento para nos disciplinar. Quando os israelitas pecavam deliberadamente, em atitude de desafio, Deus provocava grandes danos, impingindo-lhes catástrofes. O pecado da nação tinha de ser castigado; assim exigia a santidade de Deus. Quando se recusavam a se arrepender, restava somente o sofrimento como modo de leva-los ao arrependimento.
O sofrimento pode obrigar-nos a tirar a atenção do trivial, fixando-a nas coisas eternas, deixar a ganância do dinheiro e dos bens para um relacionamento com Deus. A dor pode ser uma ferramenta eficaz para ajustar a nossa mira nas coisas de Deus e para nos levar a viver de modo mais semelhante a Cristo.

75
ü

Zedequias começou a reinar com...

... vinte e cinco anos ...

(2Cr 36:11) Era Zedequias da idade de vinte e cinco anos quando começou a reinar, e onze anos reinou em Jerusalém.

... ou vinte e um anos?

(2Rs 24:18) Tinha Zedequias vinte e um anos de idade quando começou a reinar, e onze anos reinou em Jerusalém.

R.: Esta questão se enquadra na resposta dada anteriormente na quantidade de chefes oficiais do Rei Salomão.
Koinê: O período Koinê abrange uma época que vai de 330 a.C até 330 d.C. Neste período a língua grega se tornou universal, sendo livremente utilizada em todo o mundo civilizado. O grego Koinê se tornou universal por quatro motivos principais: extensa colonização, grande união política e comercial das diversas tribos gregas, intercâmbio religioso entre as tribos gregas e as famosas conquistas alexandrinas. Este é o grego que foi utilizado na composição do Novo Testamento. Era a língua comum (Koinê) do povo no seu dia a dia.
Bete-Arabá: Cidade situada próxima à foz do Jordão também conhecida como “Betânia além do Jordão”.


76
Deus é...

... contra os espancamentos...

(1Tm 3:2-3) É necessário, pois, que o bispo seja irrepreensível, [...], não espancador, mas moderado...

... ou a favor deles?

(Pv 20:30) Os açoites e as feridas purificam o mal, e as pancadas penetram até o mais íntimo do ser.

R.: Como é duro questionar o óbvio, é claro que ele contra os espancamentos, em 1 Tm 3.1-7 é para alguém que deseja o episcopado, são padrões bíblicos do pastor e Provérbios quando se fala em açoites, não é para ser levado ao extremo, que logicamente no tempos de hoje seriam abusivos!

77
Devemos...

... evitar a embriaguês...

(Ef 5:18) E não vos embriagues com vinho, em que há devassidão, mas enchei-vos do Espirito.

... e embriagar os outros?

(Pv 31:6) Dai bebida forte aos que perecem, e vinho aos amargosos de espírito para que bebam e se esqueçam da sua pobreza...

R.: em Pv 31.6,7 DAI BEBIDA FORTE AOS QUE PERECEM. É inadmissível que o escritor inspirado tivesse a intenção de aprovar ou prescrever o embriagamento como meio de alguém esquecer-se dos seus problemas ante a aproximação da morte. A receita de Deus para a aflição é o ser humano buscá-lo em oração, e não recorrer à bebida embriagante (Sl 12; 25; 30; 34). Este versículo pode ser interpretado como uma expressão irônica significando que a bebida forte tem a ver com aqueles que já arruinaram a sua vida e que não têm esperança, e não com os reis e governantes sábios que devem ser totalmente abstinentes .





78
ü

Onde está a profecia de Jeremias?
Em Mt 27:9...

Cumpriu-se então o que foi dito pelo profeta Jeremias: Tomaram as trinta moedas de prata, preço do que foi avaliado, a quem certos filhos de Israel avaliaram.

... ou no livro de Jeremias?


No livro de Jeremias não existe nenhuma referência a tal profecia

R.: Verdadeiramente a Bíblia é um livro feito para que somente os salvos em Jesus Cristo compreendessem (os espirituais 1 Co 2:14). Uma pessoa que não é salva, ou seja, liberta do senhorio de Satanás, não possui condição moral e espiritual julgar as Sagradas Escrituras. Mesmo que esta pessoa seja um Pastor, Padre, Bispo, filosofo, guru ou até mesmo um teólogo doutorado no assunto. E a condição sine qua non para uma pessoa compreender verdadeiramente as Escrituras é aceitar a Jesus como único e suficiente salvador de sua alma, ou seja, declarar publicamente que o senhorio de sua vida e o destino de sua alma está nas mãos do Mestre e não nas de Satanás. Enquanto isso não acontecer esta pessoa estará sujeita a ter sua mente manipulada pelo diabo. Mas, vamos a explicação:
Primeiramente,quero deixar bem claro que esta pergunta faz sentido algum, uma vez que a pessoa que a faz, está com sua mente tão confusa que não conseguiu elabora-la de forma correta. Sendo assim reservo-me no direito de não responde-la exegeticamente como fiz com as outras. Apenas passarei alguns versículos-chave que darão uma pequena luz ao sr ou sra Anônimo: Zc 11: 12,13 ; Jr 32: 6-9; Jr 18:2; Jr 19:11 etc.


BIBLIOGRAFIA
O TEXTOS QUE ESTÃO COM CARACTERE MARCADOR, SÃO AS RESPOSTAS DO PRESBÍTERO ANTONIO C. C. GOMES (EBD da Assembléia de Deus do Pq. Morumbi II – Foz do Iguaçu – Pr) COM A BIBLIOGRAFIA CONSULTADA:
a) Enciclopédia de Dificuldades Bíblicas – editora Vida.
b) Bíblia de Estudos Pentecostal – CPAD.
c) Bíblia de Referência Thompson. - editora Vida.
d) Bíblia Explicada – CPAD.
e) La Bíblia Dios habla hoy – Sociedades Bíblicas Unidas.
f) The Greek New Testament – United Bible Socities.
g) Manual Bíblico – Mundo Cristão.
h) Léxico do N.T. Grego/Português – edições Vida Nova.
i) Chave Lingüística do Novo Testamento Grego - Mundo Cristão.
j) Dicionário Hebraico/Português e Aramaico/ Português – Vozes.
k) Noções de Hebraico Bíblico - Mundo Cristão.
l) Gramática Sintática do Grego do Novo Testamento - edições Vida Nova.
m) Noções do Grego Bíblico - edições Vida Nova.
n) Pequena Enciclopédia Bíblica - editora Vida.
o) História dos Hebreus – CPAD.
O RESTANTE DAS QUESTÕES SÃO DA EQUIPE DO JESUSSITE – por Miriam R. T. Argachof, com a bibliografia consultada:

Bíblia de Estudo Vida - Editora Vida
Um homem chamado Jesus – Autor Tim LaHaye – Editora United Press
Bíblia de Estudo Pentecostal – CPAD – disco CD

Um comentário:

Anônimo disse...

TIVE MEU COMENTÁRIO NEGADO EM DETERMINADO BLOG, SOBE A JUSTIFICATIVA DE SER OFENSIVO, PORÉM AO RELÊ-LO SÓ VI QUESTIONAMENTOS QUE PRECISAM SER ESCLARECIDOS, ACHO QUE HOUVE PARCIALIDADE. PORTANTO, JÁ QUE ESTE É UM BLOG DE PROTESTO, AÍ VAI O COMENTÁRIO:

Não quero ofender, nem ser acusador, mas diante dos fatos, peço que este comentário seja publicado, pois existem alguns questionamentos que precisam ser observados:

Nem o Silas se pronunciou...
nem seus defensores responderam a pergunta que fiz em um comentário de alguma postagem atrás,
mas torno a perguntar:
Para onde é que vai o dinheiro arrecadado pelo Silas?
dinheiro das igrejas,
da editora e gravadora,
dinheiro enviado por colaboradores, etc.
Vocês sabem que não é pouco!
Ou vocês continuam acreditando naquela história de pidão dele.

Para aqueles que gostam de bater no Caio, sem querer o elevar por essa razão, apenas citando um exemplo que por coincidência é dele, mas gostaria de lembrar, que quando ele (Caio) estava no auge da mídia e da editora Vinde, ele mantia a Fábrica de Esperança, um trabalho social belíssimo e que levava o AMOR de Cristo, na prática, não só no púbito.

Mas, o dinheiro do Mala... ?
e da editora Central Gospel?
vão para onde?
meia hora de programa semanal?
Na qual em metade do tempo, ele prega o seu moralismo religioso, e no restante, ELE SÓ PEDE, PEDE, PEDE E PEDE.
Ou será que é para produzir novas bíblias, livros e Cd´s? dos quais se pergunta, se é para levar a mensagem da Graça? ou para aumentar o lucro?

Um dia desses, como sempre pedindo, ele saiu com um projeto de comprar um terreno e aumentar seu império de pregação, mas e o AMOR?

POR FAVOR, SE EU ESTIVER ENGANADO ME AVISEM E DIGAM O QUE ELE FAZ COM TODO O DINHEIRO QUE ELE TANTO PEDE, PEDE E PEDE.

JÁ DISSE: NÃO QUERO SER ACUSADOR, MAS SE ALGUÉM PUDER RESPONDER, AJUDARIA!


Nada contra o Silas, pois como todo homem ele carece da misericórdia do Senhor.
Mas, como este blog tem demonstrado estar aberto a discursões sadias sobre diversas polêmicas, acho que esses questionamentos devem ser apreciados, principalmente,
por aqueles que tem o Malafaia como um líder da Igreja Evangélica; ou existe algum medo em tratar sobre o assunto?

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...