Pesquisa personalizada

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Prega a Palavra: Oratória e Outros Conceitos - Parte I

http://www.vooz.com.br/imagem/noticias/parlare_dc5c6140f28ea9a321151b97a160b0ee.jpg
Imagem
 
 Oratória

Conjunto de Regras e técnicas que permitem apurar as qualidades pessoais de quem se destina falar em público.

Normalmente, conceitua-se oratória como a arte de falar em público, entretanto, este é um conceito redundante quando comparado à outras artes ou ciências que também tratam do desenvolver técnico de explanar ao público.

A Oratória é derivada de outras doutrinas como a Retórica, Homilética, Dialética, porém é singular em sua aplicação e essência. Como descrito no conceito acima, trata-se de regras e técnicas que permitem apurar as qualidades do orador, ou seja, esta doutrina salienta a peculiaridade do candidato, não dos ouvintes, portanto, capacita-o a lidar com os mais variados ambientes, pois visa despertar no orador suas habilidades natas.

Precisamos, portanto, compreender alguns conceitos para diferenciar a ORATÓRIA das demais doutrinas que lidam com a arte de falar em público:
1 - Retórica

[Do gr. rhetoriké (subentende-se téchne), ‘a arte da retórica’, pelo lat. rhetorica.]

Estudo do uso persuasivo da linguagem, em especial para o treinamento de oradores. Tradicionalmente cinco são as partes do estudo retórico:

(a) a inventio, ou descoberta de argumentos;

(b) a dispositio, ou arranjo das idéias;

(c) a elocutio, ou descoberta da expressão apropriada para cada idéia, e que inclui o estudo das figuras ou tropos;

(d) a memoria, ou memorização do discurso; e

(e) a pronuntiatio, ou apresentação oral do discurso para uma audiência.

Demóstenes (383~332 a.C), foi considerado o maior orador Grego (e ainda o é), assim como Aristóteles, ressalta a importância da Retórica como elementar para o sucesso humano. Devido à sua eloqüência, um sermão pode ser conceituado como “demostêncico”, sendo com isso classificado como elegante, sublime; podemos conceituar Retórica como o conjunto de regras relativas a Eloqüência.

O imortal ateniense Demóstenes, muito citado nos livros e cursos de oratória, desde o seu nascimento, fora tolhido por graves deficiências, inclusive a gaguez. Como tinha a ambição de transmitir aos outros os seus pontos de vista, seixos na boca para melhor articular sua gagueira; ou diante do mar bravio discursava inibindo, sem saber, o próprio feedback auditivo e o pressentido medo de vozes da multidão; ou postava-se diante de uma espada que lhe roçava o peito, a fim de auto-regular suas sincinesias posturais e corporais; ou aprendia com Sátiro, a intencionalidade do humor sútil, a crítica dirigida inteligentemente, o poder da palavra que influenciava o povo de Atenas, que o confirmava Homem pensante, racional e loquens (falante). O seu esforço foi tanto que não demorou muito tempo para se tornar o maior orador de todos os tempos.

2 - Eloqüência


[Do lat. eloquentia.]

Capacidade de falar e exprimir-se com facilidade. A arte e o talento de persuadir, convencer, deleitar ou comover por meio da palavra. A arte de bem falar. Elegância no falar, capacidade de convencer. A Retórica trata das regras da Eloqüência, sendo esta a parte da Retórica que cuida do estilo e estética do Discurso. A eloqüência não é falar fácil e corretamente, impressionar os sentidos alheios, mas expressar o pensamento próprio, com graça, equilíbrio, harmonia e muita perspicácia de tempo e lugar.

"A eloqüência é a pintura do pensamento" (Pascal)

"A eloqüência é o talento de transmitir com força ao espírito dos outros, o sentimento de que o orador está possuído" (E. Ferri)

"A eloqüência é a arte de dizer bem aquilo que é preciso, tudo quanto é preciso, e nada mais do que isso" (Dammien)

"A eloqüência é a sinceridade na ação" (R. Barbosa)

3 - Discurso

[Do lat. discursu.]

Conjunto de frases ordenadas ao público. É uma peça oratória proferida em público ou escrita como se tivesse de o ser; Uma exposição metódica sobre certo assunto. Também pode ser qualquer manifestação concreta da língua.

O Discurso pode ser:
Discurso direto: Reprodução das palavras de alguém nos termos exatos em que foram ditas.
Discurso indireto: Reprodução das palavras de alguém na terceira pessoa, quer atribuindo-as claramente a outra pessoa em orações subordinadas a um verbo dicendi*, quer dizendo-as por sua própria conta em orações independentes.
Discurso indireto aparente (Discurso indireto livre.
Discurso indireto livre): caracterizado pela ausência de verbo dicendi*, e no qual o autor insere elementos da fala direta do personagem

4 - Homilética


[Do gr. homiletikós.]

Arte de pregar sermões religiosos. É o estudo dos fundamentos e princípios de como preparar e proferir sermões. É a ciência cuja arte é a pregação e cujo resultado é o sermão.
É a arte do preparo e pregação de sermões.

Derivado do Grego "HOMILOS" que significa, multidão assembléia do povo, derivando assim outro termo, "HOMILIA" ou pequeno discurso do verbo "OMILEU" conversar. “Homilia” [gr. Homós (‘semelhante’, ‘igual’) + íle (‘grupo’, ‘companhia’) = Homilia], que significa reunião, conversação familiar. Este termo grego significa antes de tudo “um discurso com a finalidade de Convencer e agradar”. Sendo assim, a Homilética é o estudo que se ocupa com o discurso em grupo, procurando a forma correta de preparar e repassar o sermão de modo compreensível, agradável, equilibrado, e embasado no contexto daquela religião. É o estudo e pesquisa necessárias para que os sermões tenham conteúdos bíblico e contemporâneo. A arte da organização das idéias que serão apresentadas a determinada Assembléia (multidão).

No século XVII a Retórica passa a ser chamada de Homilética. O estudo da Homilética abrange tudo o que tem a ver com a pregação e apresentação de práticas religiosas.


5 – Sermão

[Do lat. sermone, ‘conversação’.]

Discurso religioso geralmente pregado no púlpito; pregação com que se procura convencer alguém. Pode também ser interpretado como uma censura com o objetivo de moralizar.

Pode se dividir em três tipos:
Temático
Textual
Expositivo

6 - Dialética

[Do gr. dialektiké (téchne), pelo lat. dialectica.]

É a Arte do diálogo ou da discussão, quer num sentido laudativo (elogioso), como força de argumentação, quer num sentido pejorativo (desaprovação ou significação desagradável), como excessivo emprego de sutilezas. Também é entendido na filosofia como o desenvolvimento de processos gerados por oposições que provisoriamente se resolvem em unidades.

Conforme Hegel, a natureza verdadeira e única da razão e do ser que são identificados um ao outro e se definem segundo o processo racional que procede pela união incessante de contrários — tese e antítese — numa categoria superior, a síntese. (Tese + Antítese = Síntese), ou ainda segundo Marx, é o PROCESSO DE DESCRIÇÃO EXATA DO REAL. 
 
Referências:

1. http://pt.shvoong.com/books/1724435-arte-falar-em-p%C3%BAblico/#ixzz1UsCkf8m1

2. http://www.ceismael.com.br/oratoria/eloquencia.htm

3. http://pastor-elder.blogspot.com/2011/07/homiletica.html

4. http://www.advir.com.br/sermoes/artedefalar.htm

5. Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa, 3ª edição, Ed. Positivo, Edição eletrônica.

6. Bíblia de Estudo Palavras Chave, CPAD.

7. Manual de Pregação, Editora Vida

8. Hermenêutica Avançada, Vida

9. Dicionário escolar da Língua Portugês

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...